Atalhos de Campo


8.8.17

biodiversidade

A meio do jantar, a criança aponta para o tecto com insistência, demonstando ter a noção de estar ali a acontecer algo diferente e digno de ser partilhado. Balbucia também qualquer coisa. Olhamos todos, quase ao mesmo tempo, seguindo o seu pequeno e adorável indicador: a osga, que estivera sumida por uns dias, tinha voltado, e estava em grande actividade a caçar insectos. A criança não demonstra medo e ninguém revela qualquer desconforto com a presença do pequeno sáurio, antes pelo contrário.      

8 comentários:

  1. Há uma que anda lá por casa, não que goste dela; vou-me habituando à sua presença gorda, colada nas paredes. É elemento bem repelente da biodiversidade. Apesar de se alimentar de outros insectos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei a partir de que altura é que os répteis (em geral), se me tornaram repulsivos. Mas sou incapaz de lhes fazer mal. Esta entrou em casa: pois que fique. Vê-la liberta da letargia diurna, a perseguir traças e melgas, foi surpreendente.

      Eliminar
  2. as osgas são muito económicas... já viste o preço daquelas recargas de insecticida? uma roubalheira...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sem dúvida, e ainda por cima, se leres as contra-indicações... antes uma osga-fulminante.

      Eliminar
    2. nunca leio as contra-indicações :)

      Eliminar
  3. Olha, se comer melgas, até faço um esforço para superar o medo e a repulsa e adoto uma osga. Melgas é que não :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é bem merecido. Na verdade são inofensivas. Nem tudo pode nascer bonito, como por exemplo as melgas :))

      Eliminar