Atalhos de Campo


24.7.17

sponging on e sponging off

Passo parte do Domingo a pintar o meu quarto. À cabeceira da cama uso uma esponja natural para deixar marcado o azul báltico. Contorno a janela e a prateleira em pedra. Continuo na parede contígua, seguindo uma voz que vem de dentro. Termina, como maré irregular, sobre branco. Ouço Async em repeat. Não se volta duas vezes ao mesmo amar. Adormeço numa ilha.