Atalhos de Campo


16.6.17

a saturação do ódio*

Talvez tenha chegado o momento de pressentirmos que todo o crime castigado corresponde a uma impunidade que levamos oculta no coração. Sabemos que as palavras paz amor são simples sedativos; por detrás delas escondem-se programas de natureza mortífera. Não se denuncia claramente nada nem ninguém, não exactamente por falta de coragem, mas por falta de convicção. Um dia, ao fazerem um inquérito sobre o possível desfecho e solução para a guerra do Vietnam, eu falei na saturação do ódio. Só é possível terminar com o enigma do ódio humano ao atingir a saturação.
(...)

Agustina Bessa-Luís/Tudo está cheio de sabedoria