Atalhos de Campo


9.11.16

genuflexão

Ajoelhada na relva inclino-me sobre o canteiro, para o limpar de raízes, pedras, pequenos ramos, folhas secas. Algumas raízes estão fortemente agarradas e são profundas, formando uma intrincada rede subterrânea. Enfio então os dedos por entre elas e puxo-as com a mesma força que usaria para extrair um dente carniceiro. Quando cedem, por fim, trazem atrás de si um repuxo de terra, que, em jacto inesperado me vem salpicar os olhos, antes de cair pesadamente sobre as minhas botas, originando um som semelhante a uma toalha tão ensopada como estaria se tivesse havido ruptura de uma artéria. Em prolongamento do esqueleto descarnado da minha mão direita, o ancinho, de dedos crispados, luta como uma arma impiedosa, até arrastar o que ainda resta da relva morta. É com esforço que tento manter a posição totalmente anti-ergonómica escolhida por alguns dos peregrinos que na adolescência via passar em frente ao colégio, a caminho de Fátima. Quando a terra fica pronta vou buscar a enxada para abrir quatro buracos desencontrados. Pego, um por um, em cada crisântemo, e viro os vasos ao contrário. A gravidade devolve-me, a cada vez, um novelo rígido de raízes para a mão, igual ao pé enfaixado e doloroso de um bonsai, uma miniatura quase igual a tudo o que acabei de arrancar. Ajoelho-me de novo, para aconchegar a terra e compactá-la, antes de me levantar. Ao olhar com alívio para o trabalho concluído, percebo finalmente porque, apesar de ajoelhadas, certas pessoas se recusam a rezar.


5 comentários:

  1. há pessoas que sabem rezar, só não sabem dizer orações...
    bom dia para ti, Teresa.

    ResponderEliminar
  2. fico incomodado quando leio "ruptura de artéria"

    ResponderEliminar
  3. Essa luta, nesse oráculo permanente, é-me deveras familiar. E quantas, quantas vezes, os nossos pensamentos mais profundos, verdadeiros e até distraídos, não se traduzem nas mais belas e valorosas orações? Ainda que, e frequentemente, imaterializáveis, ou, sem reprodução possível.

    Gosto das tuas orações e dos ecos que por aqui passam.
    Beijinhos

    ResponderEliminar