Atalhos de Campo


14.11.16

A crítica das árvores

Tenho para mim que os críticos são pessoas que não contemplam as árvores. Pessoas assim andam perto de enlouquecer e sofrem de dores de cabeça permanentes. As árvores, como objectos que atraem e repelem a electricidade, como bem reparou o bom Benjamim Franklin, estão em condições de servirem de meio curativo a certas moléstias cerebrais que produzem a crítica. 

Agustina Bessa-Luís/ Os Críticos-I

8 comentários:

  1. "Olhe para uma árvore, uma flor, uma planta.
    Deixe sua atenção repousar nelas.
    Note como estão calmas, profundamente enraizadas no Ser.
    Deixe que a natureza lhe ensine o que é a calma."
    Eckhart Tolle

    bom dia, Teresa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um bom conselho, mas quem o não quer seguir chama-lhe poesia. :)

      Boa noite para ti, ana.

      [ tive aqui um problema com tudo quanto é electrónico e de há uns dias para cá não está fácil...]

      Eliminar
  2. palavras sábias, Teresa. sorte a minha que estou rodeada de elemento natural tão precioso.
    boa semana e um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mesmo, Mia, somos tão melhores seres humanos quando conseguimos contemplar uma árvore.

      Um beijinho também, e boa semana.

      Eliminar
  3. Por via das dúvidas, não passo sem elas :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. As árvores põem-nos a pensar, mesmo sem querer. São presenças. Podemos sentir-nos sós no meio de uma multidão, mas não, quando estamos entre elas. Por isso é que eu digo que elas têm espíritos, o que é normal, a cada ser vivo - um espírito.
    Agora tenho andado na apanha da nossa azeitona. As oliveiras podadas, abertas, com as redes estendidas como véus caídos das desnudadas copas, parecem agradecer o alívio que se lhes dá por esta altura.

    Então, daqui vai uma pomba branca com um raminho de oliveira para ti.

    ResponderEliminar