Atalhos de Campo


15.10.16

Da (I)mortalidade # repost 20

(...)
O olhar do homem foi já muitas vezes descrito. Pousa friamente sobre a mulher, ao que parece, como se a medisse, a pesasse, a avaliasse, a escolhesse, por outras palavras: como se a transformasse em coisa.
O que nem sempre se sabe é que a mulher não fica desarmada por esse olhar. Se é transformada em coisa, ela observa, pois, o homem com o olhar de uma coisa. É como se o martelo tivesse de repente olhos e observasse fixamente o ferreiro que se serve dele para espetar um prego. O ferreiro vê o olhar maldoso do martelo, perde a segurança e dá uma martelada no dedo polegar.
(...)
Milan Kundera/ O Livro do Riso e do esquecimento

(...)
Reparem, eu não sou deste século. Isso vê-se. Isso ouve-se. Alcancei o meu objectivo com um instrumento rombo. Usei um martelo na vida doméstica e quem está de pé pode observar o resultado. E na vida do Kenny. O facto de ainda ser um martelador não deveria ser nenhuma surpresa.
(...)
Philip Roth/ O Animal Moribundo 

Publicado a 9/10/14, dia em que Patrick Modiano venceu o Nobel da Literatura 

Sem comentários:

Enviar um comentário