Atalhos de Campo


8.9.16

pickpocket

Uma «relação de bolso» é a encarnação da instantaneidade e da disponibilidade. (...)
Primeira condição: deve entrar no relacionamento plenamente consciente e totalmente sóbrio. Lembre-se: nada de «amor à primeira vista» aqui. Nada de se apaixonar... Nada daquela súbita torrente de emoções que nos deixa sem fôlego e com o coração aos pulos. Nem as emoções a que chamamos de «amor» nem aquelas que sobriamente descrevemos como «desejo». Não se deixe dominar nem arrebatar e, acima de tudo, não deixe que lhe arranquem das mãos a calculadora.
(...)
Se notar alguma coisa que não se negociou e que não lhe interessa, saiba que «é hora de seguir viagem». É o tráfego que sustenta todo o prazer.
Mantenha o bolso livre e preparado. Em breve vai precisar de lá pôr alguma coisa e - cruze os dedos - vai consegui-lo...

Zygmunt Bauman/ Amor Líquido 

4 comentários:

  1. Hoje em dia é o que há mais por aí :)
    Boa tarde :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, GM, infelizmente. É como fazer "a viagem" agarrado ao coração, em vez de ser à carteira. :)

      Boa viagem :)

      Eliminar
  2. uma espécie de sim e não simultâneo? uma vez líquido, será possível que se misturem?
    Boa noite, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uma espécie de sim com validade (curta). :)
      líquido porque fluido, escorregadio, instável, efémero; o contrário de sólido.
      se houver "muita mistura" já não cabe no bolso...

      Beijinho, Mia.

      Eliminar