Atalhos de Campo


25.9.16

pássaro azul



Fiquei de pé no meio da sala, surpreendido com os meus pensamentos. 
Dei por mim sentado à beira da cama, a chorar. Sentia as lágrimas 
correrem pelos meus dedos. O meu cérebro andava às voltas, mas não 
me sentia a enlouquecer. Não percebia o que estava a passar-se comigo.

Charles Bukowski/ Mulheres

4 comentários:

  1. é um dos mais belos poemas que conheço.
    podia viver dentro dele, como um pássaro azul.

    mil beijos, doce Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. leva-me vinte anos de avanço :)
      como será viver - durante uma vida inteira - dentro de um poema assim lindo, assim triste?

      Beijos, flor (azul).




      Eliminar
  2. Consciência ou ressaca?

    ( Teresa desculpe aproveitar este postigo para comentar o magnifico post de cima de todo)

    Certo de que me perdoará.
    Abraço

    ResponderEliminar