Atalhos de Campo


27.8.16

Parque Jurássico # repost 13

Por vontade dela passava os dias atrás de mim. Mal me pressente perto da capoeira vem a correr com um gorjeio de contentamento; se eu entro com comida contrasta com a azáfama dos outros galináceos e fica acocorada à espera de festas. Das primeiras vezes achei estranho, tive receio de lhe tocar, mas ela passou a impor a sua vontade e exigiu atenção permanecendo quieta com as asas ligeiramente abertas, hipnotizando-me com o olhar. Agora temos o nosso ritual, passo-lhe primeiro a mão pelas penas do dorso, tão macias e brancas, tão limpas e penteadas pelo bico em sessões prolongadas ao ar livre, e depois chamo-lhe peruzinha, deusa branca, minha deusa, e outras coisas ridículas, enquanto lhe faço festas na cabeça e ela fecha e abre os olhos, consolada. Mexe-se com dificuldade, carregando de cada lado do peito com vários quilos de bife, razão pela qual foi seleccionada. Há uns tempos disse-lhe, em segredo, que esquecesse aquela história dos bifes, que enquanto eu vivesse ela também viveria. Ela, em sinal de agradecimento, pôs sessenta ovos. E agora já nem sei se afinal sou eu a ave jurássica, ou se é ela que é igual a mim.

Publicado a 15/5/2014

Nota:

Peruzinha continua viva, sendo a mais velha da capoeira e líder absolutista. Defende os mais fracos da imposição dos mais fortes, enfrentou um galo serial killer, protege a outra perua do ataque dos pavões. Entrou em duelo com o actual galo para assumir o comando deixando como prova irrefutável as suas penas brancas espalhadas pelo chão (e a crista do galo às tiras). Sofreu apenas algumas escoriações que exibiu como exemplo, e a paz voltou ao galinheiro. A sua figura impõe-se, vigilante e matriarcal. Quando chegaram os gansos fez-se um lago. Ela achou óptima ideia:

26/8/2016

16 comentários:

  1. Gostei tanto mas tanto dessa 'Nota', Teresa!

    ResponderEliminar
  2. penso muitas vezes que se um dia criar animais, nunca os vou comer...

    ResponderEliminar
  3. Peruzinha é muito especial e já vi que vai viver muitos anos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se não lhe tivesse dado esta oportunidade, e ela a mim, seria igual às outras todas; é incrível, não é? :)

      Eliminar
  4. Uma deusa perua... Que engraçado. Não imaginaria uma amizade assim. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem eu :) Os perus são muito diferentes das galinhas...

      Eliminar
  5. Respostas
    1. para ser perfeito entrava pelo campo e tinha a praia ao fundo. "fica para a próxima". :)

      Eliminar
  6. Minha querida Teresa, é tão bom ler estas tuas histórias (e outras também). Que post belíssimo, adorei.

    Posso fazer duas perguntas? (curiosidade)
    1. quanto tempo vive um peru que não se destina a bifes?
    2. quantos ovos põe uma fêmea em toda a vida? e põe continuamente ou tem períodos específicos?

    como já disse a nossa flor aqui várias vezes: és tão bonita Teresa.

    Um abraço dos horrorosos. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto tanto de ter aqui este comentário, querida Susana; como é que adivinhaste que precisava de ouvir a tua voz? :) [um destes dias vou procurá-la numa constelação].

      Vou tentar satisfazer a tua curiosidade:
      1.Geralmente os perus que não se destinam a bifes são os reprodutores e são refugados a partir dos três anos de vida. Os que ficam como mascotes, como a Peruzinha podem viver talvez o dobro (eu espero que ela viva bem mais do dobro, mas depois começa o enfraquecimento e as doenças degenerativas...). Esta raça é a holandesa branca(!) e pode atingir entre 16 e 20 kg, se for para engorda - sim porque os holandeses nessas coisas não são para graças, até os caracóis são gigantes :). Nós aqui não fazemos criação, compramos os perus para engorda e consumo próprio, mas eu gostava de tentar.
      2.Uma fêmea pode pôr até 150 ovos na primeira postura (a partir dos 8 meses e no 1º ano de vida) dividida por três períodos. Pode chocar até vinte ovos de cada vez. Geralmente os da primeira série são os maiores e os usados para incubação. Depois, à medida que vai envelhecendo, diminui a postura. Se calhar a média durante a vida não excede em muito os 200 ovos. As fêmeas maiores são geralmente as escolhidas para reprodutoras porque põem mais. A postura foi na Primavera. Os ovos são grandes, sobretudo por terem uma maior clara proporcionalmente aos de galinha. São também para consumo próprio.

      e, minha querida Susana, quanto a boniteza não ficas atrás (que eu acredito que sou bonita, pois claro, se vocês o dizem é porque é verdade :)); aliás, as duas são lindas - mas onde andará a flor a florir?

      Abracinho horroroso (já não quero dos outros). :)

      Eliminar
  7. Oh, muito obrigada, Teresa! Eu gosto tanto de saber estas coisas acerca dos animais. Não no-las ensinam na escola e depois da escola pus-me no caminho das coisinhas muito mais pequenas que animais, ou então muito maiores que animais, a biologia ficou ali no meio.
    Sim, de facto na Holanda há espécies bem maiores do que as nossas: uma certa raça de ovelhas castanhas, por exemplo - um dia até as confundi com vacas, tão grandes eram :-) e gatos, os gatos na Holanda são enormes. Mas têm lá uma raça de cavalos - o cavalo frísio - que é todo preto, crina incluída, e tem umas "perneiras" de pelo nos tornozelos também em preto, muitos bonitos de cabelo ao vento, mas são mais pequenos que o cavalo lusitano, ai são.

    (e eu também já só quero destes horrorosos, vai mais um, agradecido) :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi com todo o gosto, Susana. Tens razão que não nos ensinam estas coisas, mas sabes, também não foi no meu curso que as aprendi, são coisas que se vão aprendendo com vida prática (neste caso ter uma capoeira pode ajudar :).[Vou mandar o Manuel Hilário fazer um guia informativo do Parque Jurássico, mas não ponho as mãos no fogo...]

      E para terminar adoro os teus posts-neutrino-desafio. Escrito com a tua imaginação tornas esse mundo fabuloso.
      Outro desses, querida Susana. :)

      Eliminar