Atalhos de Campo


12.5.16

Quando os animais não são coisas e o Samba da Bênção

Lagoa da Conceição. Santa Catarina. Brasil 


























Tocava Martinho da Vila, os copos eram frascos de vidro, ainda me lembro do sabor do café, do aroma confundindo a maresia, das flanelas coloridas que revestiam as chávenas para podermos pegar nelas sem queimarmos os dedos. O empregado usava um pequeno chapéu preto e tinha um sorriso tão branco e perfeito a sobressair da barba negra e do bigode bem aparado tão paralelo aos dentes, talvez um anel largo no polegar direito, perguntei-lhe quem cantava, eu conheço esta voz... então pedi-lhe que escrevesse o nome da música num papel, ele tinha uma caligrafia esfarrapada que ondulava, alinhada com a voz quente do Martinho no papel rasgado, devo tê-lo guardado entre mil papéis na carteira onde faço um arquivo de músicas do mundo, isto foi uma gravação que eu fiz, gosto tanto de gente que faz gravações, de gente musical, e por momentos deixei que a alma daquele lugar onde nunca mais voltaria tomasse conta de mim, veio outra música e outra e eu estiquei as pernas e reclinei-me ligeiramente para escutar o sol e fui acertando em todas, uma após a outra -para seu espanto, que já ficava à espera que eu dissesse quem cantava- Mariza Monte, Calcanhoto, Paula Morelenbaum, conheço esta, espere, é Lulu Santos, tenho esta também, Bebel Gilberto, e a Julia Roberts fotografava uma lágrima no rosto da Natalie Portman, Just take my picture! num dia sem samba nem bênção, que bom, era proibido fumar, mas ali mesmo, num puff ao lado, adormecera um cachorro moldado ao dono, um Cane corso azul da cor cinzenta do mar... e agora, agora era a voz de Caetano num dia que era um dia de paz, como a luz no coração.   

12 comentários:

  1. obrigada por partilhar, Teresa.
    tão bom de imaginar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Momentos únicos que só precisaram de duas ou três "não coisas"...
      Um beijo, flor.

      Eliminar
  2. Querida Teresa, também fiquei em paz depois de te ter lido :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A paz é tão contagiosa quanto a agitação, mas tão infinitamente melhor...
      Um beijinho, querida Miss Smile. :)

      Eliminar
  3. que maravilha.
    lembrou-me o meu Rio e a minha bossa.
    e "a paz", do Gilberto. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "A paz invadiu o meu coração
      De repente, me encheu de paz
      Como se o vento de um tufão
      Arrancasse meus pés do chão
      Onde eu já não me enterro mais"
      (...)
      Gilberto Gil

      é bom voar, Laura. :)
      Obrigada

      Eliminar
  4. E para acompanhar uma música de qualquer um deles. Muito bom para as neuras, ó que maravilha, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha esta memória no bolso, para dias difíceis. :)
      Procura-se neura em paradeiro incerto. Dão-se alvíssaras.

      Eliminar
  5. A vida é feita de momentos. Todos nós temos os nossos. Esse encheu-te as medidas. Chegou qualquer coisa aqui..., transmitiste bem.

    Sairmos de nós próprios, da jaula...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... e às vezes já não voltamos (gostei da imagem).

      "Vol de nuit"... :)

      Eliminar
  6. pet friendly é possível em portugal? há algum sítio assim? só por curiosidade :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. felizmente há cada vez mais sítios assim, também em Portugal; lembro-me até de um guia, com edição anual, onde vinham muitos desses locais. :)

      Os Atalhos são Pet Friendly!

      Eliminar