Atalhos de Campo


27.5.16

prova de vida

estava morta, não teve dúvidas;
para que não houvesse provas apagou rapidamente a fotografia.

6 comentários:

  1. Na fotografia, somos um momento do passado, interpretado à luz do presente. A fotografia é uma ausência, o registo do que já não é. Por isso é que as guardamos, porque precisamos de guardar o que perdemos. Quando não nos revemos naquele retângulo de passado, queremos eliminá-las. Lembro-me de, na minha adolescência, ter rasgado duas ou três, porque as achava simplesmente "envergonhantes" (e todos sabemos que, nessa altura da nossa vida, há mínimos para o cabelo, para as roupas e para outros pormenores importantíssimos:)). Hoje, arrependo-me de o ter feito, porque tenho a certeza que a minha apreciação seria mais benévola. Quando somos novos, esquecemo-nos que o importante não é a imagem, mas o olhar, e que este não é sempre o mesmo.

    Um beijinho, Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu nunca me arrependi de rasgar uma fotografia...

      Neste caso foi uma constatação muito grave que a fez "rasgar", muito mais do que a vida e o momento, a própria morte em vida.

      Um beijinho, Miss Smile.

      Eliminar
  2. Casos há em que a morte nao é definitiva e, qual fênix, renasce-se. E apenas as fotografias o podem comprovar... Beijinho Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só há uma morte definitiva, parecia querer dizer a fotografia, apaga lá isso. :)

      Beijinho, GM.

      Eliminar
  3. Na verdade, não há nada que possamos apagar. Somos autênticos caixeiros-viajantes para onde quer que vamos. Ninguém pode fugir de si mesmo. Mas morrer ao velho Adão, isso sim, isso já é outra coisa. É desejável. É um desafio que se impõe em todos os tempos.

    As fotografias do passado são quase sempre dolorosas, pela nostalgia que transmitem à interpretação do nosso olhar presente.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A recusa de encarar certas expressões desadaptadas a certos momentos dá oportunidade de as substituirmos por outras. Ao eternizarmos numa fotografia um momento bom, queremos que ela seja o reflexo disso e não o contrário. Foi o que aconteceu.

      Eliminar