Atalhos de Campo


25.4.16

reflorir


Eu estava morto, mas era Abril,
e a glicínia estava aqui, reflorindo.



Maldigo os sentidos desses vivos,
para quem, um dia, nos séculos, voltará a ser Abril:
com as glicínias, com estes grãos lilases,
trémulos em filas carnais,
quase sem cor, quase, diria, lívidos...
E tão doces, contra os muros de argila
ou travertino, misteriosos como camomila,
tão amigos para os corações que com eles nascem.
Malditos corações, que tanto amo,
porque ainda não conhecem, não só
a vida, mas também o nascimento!
Ah, a vida verdadeira é ainda
aquela que será: virgem, a glicínia
deixa só para os nascituros o fascínio!
























Tu que, brutal, regressas,
não rejuvenescida, mas mesmo renascida,
fúria da natureza, dulcíssima,
matas-me, homem já morto
por uma série de dias miseráveis,
debruças-te para os meus abismos reabertos,
dás um perfume virgem ao meu eclipse,
antiga sensualidade, estilhaçada, piedade
apavorada, desejo de morte...
Perdi as forças:
já não sei o que é ser racional;
a minha vida decadente atola-se
na tua religiosa decadência,
desesperada por ver apenas
crueldade neste mundo, e raiva na minha alma.

Pier Paolo Pasolini/ Poemas




10 comentários:

  1. custou-me mais deixar uma glícinia, essa planta generosa e humilde, do que algumas pessoas :)

    boa tarde, Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como te entendo, ana. :)
      Como é que se faz um luto de flores?

      Eliminar
  2. Adoro! A glicinia e o texto... esta flor tem um significado especial para mim. Sabes, foi-me deixada uma em testamento, mas estou triste pois todos os dias a vou ver e este ano ainda não floriu....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Talvez esteja só atrasada ou tenha sido muito podada no ano passado. Esta, este ano está cheia de cachos lilases (e do perfume nem se fala), mas no ano passado mal floriu, exactamente porque tinha sido muito podada. Espero que seja isso, GM. Uma glicínia é sempre um monumento à beleza.

      Eliminar
  3. Talvez seja esta beleza que nunca se cansa, que nos faz ter ainda esperança, esperança na nossa própria condição humana.

    Sempre...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. .... de florir, muito para além da nossa vida.

      Essência :)

      Eliminar
  4. A luz, a natureza, tão belas de contentes, fazem-nos acreditar na seriedade da nossa existência, muitas vezes tida como desprezível, aos olhos dos poetas. Pode ser cortante, mas é subtil e eu entendo-os. Contudo, o belo cenário mantém-se para que a nossa esperança aconteça e vá acontecendo...

    Um bom resto de dia, nada esmorecido:)
    Beijinhos

    ResponderEliminar