Atalhos de Campo


24.4.16

receita biológica

não há nada que faça melhor ao ânimo do que passar
um dia inteiro a arrancar ervas daninhas. 

12 comentários:

  1. Eu também estou a precisar de arrancar uma ervas...mas não me parece que vá levantar o ânimo!

    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. nem todas as ervas são daninhas; mas todas são "medicinais"... :)

      há remédios santos, Isa!

      Eliminar
  2. Ai acredito. Deve ser parecido com o que se sente quando se fazem arrumações em casa e nos despojamos do que estava a mais. Digamos que na versão citadina, pronto. Que eu ervas daninhas já arranquei, isso já, mas nunca durante um dia inteiro.
    :-)
    Abraço, querida Teresa. (está um dia lindo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um Feng Shui do jardim e da alma...

      ... mas se calhar já fizeste arrumações durante um dia inteiro.:) (também eu)
      Desta vez as mãos é que pagaram, ficaram em péssimo estado. Mas a alma gostou.
      Um abraço, querida Susana. Aproveita bem este dia maravilhoso.

      Eliminar
  3. Uma terapia fantástica essa. E á medida que se deitam as ervas daninhas no lixo, o ânimo vai melhorando. O cheiro a verde e a terra também ajudam :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O perfume da terra e das ervas que sobe pelas narinas é um incentivo, sem dúvida. Depois fica tudo mais bonito e ainda se ouvem os passarinhos. Por fim, as vacas pedem a iguaria junto à portão da cerca. Ficar a vê-las comer é delicioso. :))

      Eliminar
  4. É muito terapêutico. Limpa-se, refaz-se, compõe-se. Há diferenças de ano para ano. É motivador. Gosto de mexer na terra, reposicionar a tela, a areia, o seixo, e no fim, regar generosamente as plantas tratadas, visívelmente maiores. É um trabalho de paciência, de muitas horas. Ao organizarmos, também nos organizamos. Gosto de o fazer, sempre ao som da música, como uma chucha. E sim, muitas das chamadas ervas daninhas são ervas medicinais, e algumas picam como agulhas, como o cardo estrelado amarelo.

    Vara de ouro:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto do contacto com a terra, de regar, desse diálogo, da resposta pronta ao cuidado, à entrega do tempo. Separar o trigo do joio, num jardim é essencial; mas, à margem do caminho, deixar ficar uma floreira natural, nada menos bonita do que a sofisticação das plantas ornamentais e anuais, tão variável. Chego a trabalhar seis horas por dia, a ouvir os pássaros, os pavões, as ovelhas, as vacas a reclamar as ervas que enchem completamente o carrinho de mão, com o sol como relógio. Dá uma enorme sensação de bem-estar; mesmo que não se usem as ervas medicinais é terapêutico. Mas, uma sopa de beldroegas acabadas de apanhar, feita com queijo de cabra, foi a melhor iguaria que provei nos últimos tempos.

      Beldroega(portulaca oleracea) :)

      Eliminar
  5. Este ano ainda não iniciei estes trabalhos, a não ser na horta, pomar e olival. À volta da casa, vou deixando estar os bonitos malmequeres, amarelos e brancos, e as papoilas que proliferam espontaneamente. Só quando começarem a secar é que os removo. É sempre assim. Mas no emaranhado do matagal, já me dei conta, do que medrou desde o ano passado. Dá-me satisfação. Todos os anos vamos plantando mais aromáticas e outras plantas de combate, explorando a variedade e as assimetrias. De resto, as ovelhas ajudam a limpar, aparando bastante os solos.

    Beldroegas, nunca provei. Acho que as reconheci. Vou prospectar. No tempo das urtigas mais tenras, também costumamos fazer sopa. Somos fãs, mas isso é mais banal.

    Erva-do-caril. Tem uma bonita floração amarela e cheira mesmo a caril!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve ficar bonito esse jardim espontâneo em volta da casa. Aqui é bem delimitada a área das ervas e a do jardim. Eu costumo chamar-lhe civilização. A certa altura ultrapassamos uma sebe de hera e vinha virgem e chegámos à "civilização". Dessas "portas" para dentro é a nossa mão que controla, exclusivamente; para fora do jardim, dito civilizado, as ovelhas dão uma ajuda.

      Já comi uma vez quiche de urtigas, que estava deliciosa. E foi a minha única experiência degustativa com urtigas; as outras foram mais arranhões... :)

      Catacuzes (Rumex crispus)

      Eliminar
  6. O mexer na terra faz sempre bem, por vezes sinto alguma "inveja boa" de tanto animal e flor que rodeia os teus dias :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, um equilíbrio invejável entre animais e plantas... um pequeno paraíso, partilhável, já que muito passa aqui pelos atalhos, mas claro que é completamente diferente mexer. :)

      Eliminar