Atalhos de Campo


6.4.16

no beirado































































































































10 comentários:

  1. Truman Capote dizia que todos estamos sozinhos, debaixo dos céus, com aquilo que amamos. Na verdade, estamos sempre sós, mesmo em companhia. Esta é, e refiro-me à solidão procurada, a única forma de nos encontrarmos. E a solidão é algo que se aprende, tal como se aprende a andar, a ler, a conduzir...

    Um beijinho, Teresa (gosto de partilhar a minha solidão contigo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sei se é outro tipo de solidão, mas sempre precisei de estar só, desde que me lembro. Acho que nasci assim. Ao longo da vida fui aprendendo a gerir a minha solidão, quando tive a noção de que é boa até um certo ponto mas também pode vir a tornar-se perigosa. Há pessoas que têm horror à solidão, e nem com um curso lá iriam; há quem nasça com solidão nos genes e há quem nasça intensamente sociável. No fundo precisamos todos uns dos outros. Tudo o que fazemos nos blogues não é mais do que partilhar a solidão, e isso parece-me inteligente.

      Um beijinho, de uma solitária convicta. :)

      Eliminar
  2. Eu tenho os dois lados. Acho que sou intensamente sociável, mas gosto e preciso de estar só. Acho que são estes dois opostos que me fazem equilibrar neste beirado que é a vida.

    Outro beijinho, convicto de que gosto muito de ti (é para compensar todos os que não te "dei" durante a minha ausência) :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sou o inverso, sou intensamente solitária, mas por vezes também preciso de conviver. Talvez o meu beirado por vezes se assemelhe mais um abismo.

      Estas são jovens andorinhas-das-chaminés, pousadas no beiral:) mas aqui há as duas variedades.
      Voltaste com as andorinhas! O teu voo fez cá falta. :)

      Eliminar
  3. como de pão para a boca, a solidão...

    já chegaram, aí, as andorinhas :)

    beijos às duas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A solidão só é triste quando é imposta, mas não é o caso. :)

      É verdade; estas já são da nova geração. Tão lindas. :)

      Beijo, ana.

      Eliminar
  4. vaidosas andorinhas no beirado tocado pelo sol...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. da nova geração Hirundo rustica... muito conspícuas :)

      Eliminar
  5. Um friso de gaiatos no recreio, durante o intervalo, é o que é! Solidão?! Aqui?! Aqui, não. Só no andar de cima.

    Andorinhas-dos-beirais. Foi com uma destas que me cruzei de raspão, resgatando-lhe o olhar.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Salvei uma (das chaminés) no ano passado: vide notícias da quinta(4) - 9/5/15.
      Depois voou para a Argentina; estas são filhas dela :)

      Eliminar