Atalhos de Campo


25.3.16

peixes

os pescadores quando apanham um peixe deveriam compará-lo
com o tamanho do mar

13 comentários:

  1. "Escrever um poema
    é como apanhar um peixe
    com as mãos
    nunca pesquei assim um peixe
    mas posso falar assim
    sei que nem tudo o que vem às mãos
    é peixe
    o peixe debate-se
    tenta escapar-se
    escapa-se
    eu persisto
    luto corpo a corpo
    com o peixe
    ou morremos os dois
    ou nos salvamos os dois
    tenho de estar atenta
    tenho medo de não chegar ao fim
    é uma questão de vida ou de morte
    quando chego ao fim
    descubro que precisei de apanhar o peixe
    para me livrar do peixe
    livro-me do peixe com o alívio
    que não sei dizer"

    Adília Lopes/Arte Poética

    Há pescadores que deixam em terra o sal do mar nos rostos das mulheres e dos filhos que amam. Em silêncio, lançam ao mar as redes que as mãos calejadas remendaram na véspera, com os olhos ancorados na infinidade do céu, a vida a balançar ao sabor da espuma e, nos lábios, o brilho da esperança, como escamas de peixe ao sol. O que eles trazem para terra não são peixes que cabem na palma da mão. Às vezes, são feridas e, às vezes, são pérolas polidas nas tempestades do mar.

    Um beijinho, querido peixinho de água doce :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes, o mar tem rugas; outras há rusgas no mar
      Mas deveria haver sempre
      Humildade, nesse olhar.

      Obrigada querida Miss Smile, hoje sinto-me um peixinho a respirar fora-de-água; tenho que me livrar dele, (do peixinho, claro) :)

      Lindas as tuas palavras, como sempre. Tem um dia feliz.

      Eliminar
  2. Assim como os homens, quando se sentem poderosos, deviam comparar-se ao tamanho do céu.
    Excelente ideia, Teresa.
    Uma boa Páscoa para ti e para os teus. :-)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (bem visto, Teresa, e bem reforçado, Susana.)

      Boa Páscoa a todas, belas da blogosfera :))

      Eliminar
    2. Querida flor, uma feliz Páscoa também para ti.
      Olha quem fala, a belezura de pétalas borrifadas. :-)

      Eliminar
    3. O mar e o céu, é isso mesmo querida Susana; porque se esquecem tanto deles os homens?

      Uma Páscoa feliz para essa família de mulheres tão giras, e especialmente para ti. :)

      Eliminar
  3. flor, minha mais bela, já sei a sua altura, mas também sei que é do tamanho do que vê.
    P.S. A Mimi tem pulgas. :)

    Feliz Páscoa, querida flor.

    ResponderEliminar
  4. (na verdade, cara Senhora, "Mimi" é a irmã :) e esta não tem pulgas, são apenas os amiguinhos imaginários! :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdão! (Com Rottweilers não se brinca.)
      Serão pulgas virtuais, então; passa rápido. :))))
      Espero que não contagie a irmã, a linda Mimi, nem a aranha, nem os gatos... tudo a coçar-se com pulgas virtuais...ah, ah, até já dava para entrar o Manuel Hilarião. :)

      Eliminar
  5. "Assim como os homens, quando se sentem poderosos, deviam comparar-se ao tamanho do céu".
    Muito bom! O Todo-Poderoso agradece.

    Pois, Teresa. Eles olham o mar e o céu, mas não sabem lê-los. Os iniciados dizem que está tudo bem à vista, basta olhar e interpretar. E nós aqui vamos treinando, lado a lado, com a poesia.

    Espero que já estejas a respirar como um peixinho dentro de água.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade, a Susana tem muita razão, esses pindéricos poderosos haviam de olhar mais para cima e menos para o umbigo...
      Só mesmo os poetas para darem a verdadeira dimensão a ambos.

      Depois de pôr o Manuel Hilário a escrever tolices fiquei a respirar melhor :)
      Beijinhos

      Eliminar