Atalhos de Campo


21.3.16

flores de amar

A minha mãe telefonou-me de manhã. É por causa de eu ver o blogue que já não falamos ao telefone... escreveste tu ontem, - e riu, - por isso hoje estou a telefonar. Breve pausa, e depois, queixando-se: Ninguém me telefonou, ninguém quer saber como estou, e sinto-me péssima hoje!, - Tossiu; - eu tossi em resposta, e então, a minha mãe respondeu-me do outro lado com um exemplar de tosse cavernosa que me assustou. É que através do blogue não lhe tenho ouvido a tosse, não lhe vejo o olhar triste, não percebo se está convenientemente agasalhada. A minha mãe lê o blogue e pergunta-me, que flores são aquelas, as flores do mar? E eu respondo-lhe que são botões de glicínia à chuva, mas que antibiótico anda a tomar, a azitromicina não deve estar a actuar convenientemente, mãe, tem que mudar de antibiótico, e fala-me de uma gaivota, ainda jovem, e frisa, - jovem adulta -, que caiu no terraço da casa ao lado, tem uma asa partida, coitadinha, o que se pode fazer, e tosse, e conversamos sobre estas coisas as duas, durante longo tempo, e tusso, - também eu estou péssima, - digo-lhe, - se morrer quero ficar no cemitério da vila, num canteiro ao sol onde nasçam flores de amar. 

12 comentários:

  1. Querida Teresa Borges do Canto,
    Os meus agradecimentos a sua mãe, que verbalizou a pergunta com que me debati ao ver as suas flores, tendo optado por não revelar a minha ignorância que agora aqui fica assumida. "Que flores?" Esse seu "se" seria cómico...
    As melhoras (tenho a sensação de lhas ter desejado ainda há bem pouco tempo).
    Boa tarde,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,

      Como as flores ficaram assim - submersas e aquáticas, (aos meus olhos) - resolvi chamar-lhes flores do mar, contrariando Baudelaire no fim do mar.
      Como já me desejou as melhoras há pouco tempo, quando da gripe das aves, se bem me lembro, agora tomo a liberdade de as oferecer à minha mãe, ainda que em pensamento.
      Tenha uma óptima tarde.

      Eliminar
  2. Ai que post tão bonito, Teresa. Da última vez que vi a tua mãe, ela estava na Feira do Livro, contigo, a comer um gelado. E não me lembro de a ter ouvido tossir.
    :-)
    "Flores de amar." (como é que eu nunca tinha pensado nisto?)
    As melhoras às duas, querida Teresa. (a minha também me lia o blogue, mas não sei se ainda lê)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me lembro, Susana, por pouco não nos encontrámos na Feira do Livro! Nesse dia estava muito calor e na verdade não tossíamos, antes nos rimos muito. É tão bom rir com as mães!
      Vamos melhorar para voltarmos lá, é um belíssimo motivo. :) Obrigada, querida Susana.

      Eu lia alguns textos à minha mãe pelo telefone e estava sempre a pedir-lhe que visse o blogue, era assim chatinha sabes, até que ela começou a ver e agora diz-me, "hoje ainda não publicaste nada", gosto tanto, acho que assim ficamos mais próximas.(Penso que a tua também lê, Susana; depois de começar já não se pára; como conseguiria?)

      Eliminar
  3. Que bom! A tua mãe que venha daí. Façamos uma roda e dêmos as mãos. A roda vai andar. É Primavera, com as quatro estações do ano ao despique. Vejo papoilas no chão amarelo e borboletas brancas saltitantes, muitas. Ela chegou mesmo.

    Um beijinho às duas e as melhoras para ambas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não lê os comentários, diz que não consegue. Adorava que lesse este, tão alegre, Madalena. Até parava de tossir, tenho a certeza.

      Obrigada, querida Madalena. Beijinhos

      Eliminar
  4. Pois é, já tinhas dito. Pode ser que ainda venha a entrar na roda. Faz bem a qualquer um, só é preciso tentar. E certamente, teria algo a acrescentar.

    Vivência é experiência!:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho dúvidas sobre isso pela maneira sensata e sabedora como vê a vida. E escreve bem.

      Vivência é além. :)

      Eliminar
  5. E é tão bom falarmos com as nossas mães, é aproveitar enquanto as cá temos.
    Beijinho Teresa
    Gostei das flores :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é nina, a nossa maior fortuna. Não há nada que se assemelhe.
      Obrigada, as flores são do mar e de amar.
      Beijinho :)

      Eliminar
  6. Que bonito Teresa e agora já sei que flores tão bonitas são aquelas, as flores do mar :) Já as de amar são como estas, as mães, que guardamos no coração. Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É GM, as flores de amar estão bem guardadas aí, nessa caixinha de jóias que é o coração.
      Beijinho e flores para ti :)

      Eliminar