Atalhos de Campo


5.3.16

E Deus criou o pavão


10 comentários:

  1. Oh! Teresa, até se fica encandeado com tanta beleza. As cores e os pormenores, o fecho do leque de lantejoulas variegadas e os azuis matizados são uma inspiração. O equilíbrio entre os elementos abstractos, tudo numa paleta que até é restrita, mas tão bem conseguida. E a saúde e o vigor, bem patentes. Será que os humanos conseguem ser assim tão belos, quanto os animais? É que me parecem sempre tão perfeitos! Até a estrutura vista por trás, é qualquer coisa.

    Magnificent!
    Beijo


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (...)
      "E um dos pavões,
      de sílabas coloridas com as tintas
      vermelhas e roxas do crepúsculo,
      respondeu: «Deus vive na rede
      dos teus versos.» E abriu a sua
      cauda onde as cores da madrugada
      reflectiam, como num espelho
      de ouro poliédrico, o rosto de deus.

      Nuno Júdice/ Encomendação

      Magnificat!

      Beijo, Madalena

      Eliminar
  2. Ah pois...so pode ter sido ele ... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. e deus (ele gosta mais assim), criou o pavão e também o faisão [só nós duas sabemos:)], mas o maior segredo é que ele também criou o pardal, para nos pôr (as duas) à prova. ele, às vezes, faz destas coisas, sabemos...:)

      Eliminar
  3. Há já alguns minutos que ando por aqui, cursor abaixo, cursor acima, estacando a cada post, a cada fotografia que deixei por ver/ler nos últimos dias, na última semana. Parei agora neste "atalhos ao sol" mas podia ter parado noutros dos belos atalhos que por aqui se traçam. Tudo tão bonito. Como sempre. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É como a marcha das cegonhas, luisa; como a atalhar?
      :)

      Eliminar
  4. E criou a mulher, sensível, que sabe captar a beleza do pavão.

    ResponderEliminar
  5. Respostas
    1. É espantoso, não me canso de os admirar. Uma ave herdada do Paraíso. :)

      Eliminar