Atalhos de Campo


15.3.16

De manhã


























III
Aqui é um lugar de desafeiçoamento
O tempo antes e o tempo depois
Numa luz baça: nem a luz do dia
Que reveste a forma com quietação lúcida
E transforma a sombra em fugaz beleza
Num ciclo lento a sugerir permanência
Nem a treva que purifica a alma
E esvazia o sensual pela carência
E limpa do afecto o que é mundano.
Nem plenitude nem vazio.(...)

T.S.Eliot/Quatro Quartetos *Burnt Norton

                              
                                    

2 comentários:

  1. Dia

    De que céu caído,
    oh insólito,
    imóvel solitário na onda do tempo?
    És a duração,
    o tempo que amadurece
    num instante enorme, diáfano:
    flecha no ar,
    branco embelezado
    e espaço já sem memória de flecha.
    Dia feito de tempo e de vazio:
    desabitas-me, apagas
    meu nome e o que sou,
    enchendo-me de ti: luz, nada.

    E flutuo, já sem mim, pura existência.

    Octávio Paz, in "Liberdade sob Palavra"

    Tem uma noite diáfana
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Ofuscante e tremendo, assim o nascer do sol rapidamente me poderia matar,
      Se não pudesse agora e sempre projectar para longe de mim o sol nascente.
      Também nós subimos ofuscantes e tremendos como o sol,
      Descobrimos o nosso ser, ó minha alma, na calma e na frescura do amanhecer."

      Walt Whitman

      Obrigada; também para ti.
      Com Paz, que adoro.

      Eliminar