Atalhos de Campo


5.3.16

até dói


























































































16 comentários:

  1. Um dia, era eu ainda muito pequena, a minha mãe anunciou-me que a primavera estava quase a chegar. Eu, que adorava receber visitas, dei pulinhos de alegria com a perspetiva de conhecer mais uma prima, que se chamava Vera e que eu imaginava que teria a minha idade. Hoje, continuo a colher, com alegria (e um maravilhamento que até dói), a chegada das primeiras flores primaveris. E eu, que nem sequer tenho nome de flor, também nasci na primavera :)

    Que bom poder ver contigo a chegada da prima(vera)!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece-me que já li isto algures... :)
      Contigo por companhia, até a aveia fica mais verde e a camomila mais loura!

      Um beijinho, querida Miss Smile :)

      Eliminar
  2. A Prima Vera já se faz anunciar em todo o seu esplendor.
    Que fotos maravilhosas, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora já começo a acreditar nessa prima, tem dias...
      As noites continuam geladas [não confundir com um certo gelado...:)]

      Beijinho, Ava

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Boa vista! É sim, uma Pega-rabuda; aqui há muitas, mas são difíceis de fotografar. Nem sabia que a tinha apanhado, só com a ampliação é que percebi. São lindíssimas.

      Eliminar
    2. uma vez tive um encontro com um gaio, as fotos ficaram uma caca, e eu fiquei sem pão para o almoço... então a prima está a chegar... tenho más noticias, mas acho que vou ficar com elas pra mim :|

      Eliminar
    3. Bons encontros esses, com pássaros; não sabia que os gaios gostavam de pão. Mesmo assim, sem ter colaborado como modelo fotográfico e roubando-te o almoço, deve ter sido um bom momento. Essa família de aves tem má fama...
      Tudo o que mexe é muito difícil de fotografar, mas torna-se por isso mesmo um grande desafio.

      Quanto à prima da vera, é uma inconstante, uma arisca, uma invejosa do Verão, não me admira que as notícias não sejam boas, Manel. Também daí, nem bom tempo, nem bom...(também não digo) :/

      Eliminar
  4. Teresa, agora foi o segundo verde que se acendeu!
    Está tudo preparado para rebentar. Alguma flora já desabrochou, mais um ou dois graus e depois é que vai ser. Até Maio, é um festim de cor. Depois em Junho, passar-se-á a outro cenário. Aqui costuma ser assim.
    Lindas texturas. É uma temática de trabalho que sempre gostei de explorar.

    Textos com texturas:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo e foi o que pensei, Rothko teria aproveitado. :)
      Aqui, em Junho, as monocromias começam a atirar mais para os beges e castanhos...

      Rothko color field

      Eliminar
  5. C'est vraie!

    ...
    Cheiro a terra as árvores e o vento
    Que a Primavera enche de perfumes
    mas neles só quero e só procuro
    A selvagem exalação das ondas
    Subindo para os astros como um grito puro.

    "Mar", Sophia de Mello Breyner

    Sophia, uma eterna amante do mar, para outra como tu, suspeito...*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...
      "Porém nem nas marés nem na miragem
      Eu te encontrei. Erguia-se somente
      O rosto liso e puro da paisagem.

      E devagar tornei-me transparente
      Como morta nascida à tua imagem
      E no mundo perdida esterilmente."

      Sophia/ Soneto de Eurydice

      E suspeitas bem...

      Eliminar
  6. Verde que te quero verde.

    Beijo, Teresa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. verde incorrupto
      que te quero amarelo
      que te quero branco
      que te quero malmequer.
      Verde que te quero encarnado
      como papoila num prado
      em coração de mulher.

      Beijo, Maria:)

      Eliminar
  7. Dói de tão bonito. A primavera está aí :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma altura do ano maravilhosa; há que encher os olhos e lavar a alma. Aqui, no verão, o solo abre brechas de 5 cm!

      Beijinho, GM.

      Eliminar