Atalhos de Campo


20.2.16

por uma gota
























Tendo feito um estágio no jardim botânico, minha irmã gosta de andar pelo arvoredo ao largo da casa, podendo distinguir o ipê do carvalho, da oiticica, do jequitibá ou da maçaranduba. Também zela pelas palmeiras, que estão alinhadas à parte, pois aprendeu que as palmeiras são de uma estirpe altiva de árvores, que as árvores sérias por sua vez desdenham. E quando tem tempo, minha irmã chega aos confins do terreno, onde o jardim toca o muro do horto florestal; só volta na hora do lusco-fusco, parando para ver e ouvir o jogo das folhagens, por atalhos que o jardineiro ignora.

 Chico Buarque/ Estorvo

6 comentários:

  1. "Já lhe dei meu corpo, minha alegria
    Já estanquei meu sangue quando fervia
    Olha a voz que me resta
    Olha a veia que salta
    Olha a gota que falta
    Pro desfecho da festa
    Por favor"

    Tão lindo que até dói!

    Todas as músicas do Chico têm uma gota de sangue.

    Um beijinho, querida Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quantas vezes já cantei esta música...
      Um homem lindo, o Chico.

      Um beijinho, querida amiga.

      Eliminar
  2. Por uma gota, o coração até transborda.

    :)

    ResponderEliminar
  3. Ah! Também eu gosto mais de tocar o muro do horto florestal. Esses são os momentos, aqueles, os da verdadeira liberdade e evasão...e no silêncio dos sons ouvir o jogo das folhagens,...Também eu gostaria de ser menos jardineiro do que sou...

    Chico Buarque, um amigo, um placebo, uma alma emprestada:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gosto de ir por atalhos que ninguém conhece. Este levou-me longe. Haverá desenvolvimentos.:)

      Eliminar