Atalhos de Campo


16.2.16

O Crepúsculo dos Deuses






























10 comentários:

  1. Fico sempre a pensar que não é preciso ser tão belo, e, no entanto é-o, sendo, quem sabe, uma das muitas formas que Ele tem de nos acarinhar. Digo eu...:)
    Bom dia Teresa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ana, ontem esteve um fim de tarde assim. quando olhei para o céu só tive tempo de agarrar na máquina para em 5mn não perder o espectáculo maravilhoso que tinha diante dos olhos. Depois fiquei sem bateria, mas com a sensação que tinha conseguido registar aquilo que via. Mais tarde deparei-me com as imagens que coincidiam com as que ainda guardava na retina, e fiquei maravilhada. Tinha o céu nas mãos.
      Feliz tarde ana:)

      Eliminar
  2. Só me ocorre dizer que as tuas fotos são assombrosas. Que bom que as partilhas aqui connosco :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria uma injustiça não conseguir partilhar tal assombro. Fui uma simples mensageira. Nada havia a interpretar. Estava tudo ali, diante dos meus olhos. :)

      Eliminar
  3. Ao PódiiiiiiiiiUM!
    *****

    Em silêncio...digo, inebriante...
    ---------------------------------

    Consta que Hitler ouvia Wagner, mas não consta que ele algum dia tivesse olhado o céu...

    Tem um bom resto de dia, de um azul que não é "blue"
    Beijinhos
    Madalena






    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nota-se que tenho andado a ouvir Wagner? Nada na música é tão cósmico como Wagner.
      Felizmente que quando Hitler nasceu já Wagner tinha morrido...
      Quantos facínoras ouviam música erudita...como é possível terem cometido os piores crimes e ao mesmo tempo gostarem do mais sublime? É a beleza e o seu anjo negro.

      Beijinhos, querida Madalena, I'm not feeling blue, but blue is feeling me.:)


      Eliminar
  4. Se se nota? Não necessáriamente. O meu comentário nada tem a ver com o poderoso Wagner, mas sim com o Hitler a propósito do teu lindo céu. Sabe-se que ele encontrou na música de Wagner uma força inspiradora para a natureza do seu projecto, o que à excepção da tal natureza seria perfeitamente legítimo. Todos nós o fazemos.

    Hitler olhou muito para o céu, mas não o viu. Quis ser como o faraó de ontem, o das dez pragas. Como um deus queria ter sido cumprido,...mas o destino do Homem não é para ser cumprido em tais deuses.

    Um beijinho, blue angel


    ResponderEliminar
  5. Nada existe fora de de Deus, logo tudo é Deus.
    O Faraó perdeu apesar do seu poderio, o êxodo,...Deus cumpriu-se, revelou-se, é Ele que tem de ser cumprido.

    Mas concordo contigo quando falas na beleza e o seu anjo negro. É verdade temos uma dupla natureza, a humana e a divina, a expressão das belas obras que nos emociona e preenche...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou como o divino pode inspirar o bem e o mal.

      Beijinhos, querida comentadora. :)

      Eliminar