Atalhos de Campo


18.2.16

néon

























18 comentários:

  1. Dá vontade de partir em busca de um arco-íris.
    Linda, como é hábito!

    Beijos, Teresa, e uma noite sonhada :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já ficava feliz com um céu de bandolete fluorescente, agora com duas, é triunfal!

      Beijos, Maria, uma noite de estrelas. :)

      Eliminar
  2. Só vi arco-íris duplos nos Açores, onde são frequentes. É tão mágico que provoca aquela maravilhosa sensação de que algo de bom terá de acontecer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também no rio Lucala, nas cataratas de Kalandula (Malange) se formam dois arco-íris junto ao rio, que os sobas dizem ser um homem e uma mulher. Se procurares o post As Pedras Negras de Pungo Andongo (12/3/2015) és capaz de achar interessante.

      Eliminar
  3. Uma borboleta pousou no corrimão bem ao meu alcance. Prendi-a pelas asas, mas tremeu tanto que soltei-a. Saiu voando buleversada como se tivesse ficado cem anos presa. Nos meus dedos, o pó prateado. Tão breve tudo. Prendi assim a alegria, ainda à pouco foi minha mas debateu-se tanto que abri os dedos antes que se ferisse, não se pode forçar. Um pouco mais que se aperte e não fica só o pó, mas a alma.
    .
    Lygia Fagundes Telles

    Com a tua habilidade, conseguiste prender a beleza do instante. E, agora, lembrei-me das andorinhas…

    Um beijinho duplo :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "furta a flor
      ao crepúsculo cor de fruta
      pássaro tecnicólor"

      Paulo Leminski

      Um beijinho em technicolour roubado ao céu :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Ava, cores do segundo eram tão intensas que pareciam néons desenhados a compasso no céu. :)

      Eliminar
  5. Não, não. Foram dois os deuses que andaram a experimentar as novas canetas de feltro fluorescentes. Se calhar são gémeos e dão-se bem.
    Olha! Da selva urbana de onde eu vim hoje será difícil vê-los a testar os néon...dizem que têm falta de papel!:)



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O céu é uma grande tela, Michelangelo é que sabia.

      Eliminar
  6. Ah! Pois é! Essa é que é essa...

    É cá um pincel! Mas de marta. .)

    ResponderEliminar
  7. Percebo. É uma expressão divina e inspirada, reinterpretada. É a expressão da natureza divina do Homem. Felizmente que não é feudo de Michelangelo, ou de outro sem igual. Todos nós fazemos vibrar a nossa natureza divina, às vezes até num simples e puro gesto. Não são só as grandes obras.

    Atrevo-me a dizer...:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão. E quanto ao céu fiquei a pensar que o que nele é mais maravilhoso é precisamente a descontinuidade e as diferenças de luz. Por muito que o céus de Michelangelo sejam belos, o céu nas suas variações será sempre mais belo ainda.

      Eliminar
  8. ...e o diálogo com o céu é também infinito.

    De uma finita, infinita :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...nunca monótono, sempre apaixonante. Está lá tudo.

      é infinito.:)

      Eliminar