Atalhos de Campo


27.2.16

estudo para quatro jarros










































                                                                                           

8 comentários:

  1. “Onde a sombra de ti, o meu perfil
    É linha de certeza. Aí são convergentes
    As vagas circulares, no seu limite
    O ponto rigoroso se propaga.
    Aí se reproduz a voz inicial,
    A palavra solar, o laço da raiz.
    Nasce de nós o tempo, e, criadores,
    Pela força do perfil coincidente,
    Amanhecemos deuses de mãos dadas.”

    José Saramago / Onde a Sombra de Ti

    Todas as coisas são uma disposição de luz e sombra. Eu vejo dois jarros :)

    Um beijinho, querida Teresa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "(...)
      Tu onde estás eu estou vivendo eu já vivi continuarei a vida
      Eu criei eu te criei transformar-te-ei
      E todavia sou sempre através de ti a criança sem sombra
      Eu te imaginei."

      Paul Éluard/ Je t'ai imaginée

      Um beijinho, querida Miss Smile [ é lindo o poema, perfeito para este par de jarros:)]

      Eliminar
  2. ... tocado a duas mãos.
    Que lindos, Teresa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ...e nas flores abandonadas
      adormecem "deuses de mãos dadas"*.

      *indecentemente roubado ao comentário anterior

      Agora sinto que é tocado a mais mãos, (e que mãos) querida Susana!

      Eliminar
  3. se fossem sombras, jamais chegaríamos aos jarros...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. as almas são assim, como sombras.
      mas eu não acho assim tão difícil, por acaso, detectar uma alma de jarro :)

      Eliminar
  4. Os jarros de reminiscências feitos, levam-me até aos antigos quintais, aos jarrões de jarros em escadas de soalho encerado. Muito altivos e seguros, entre a penumbra e a luz lembram-me a ordem antiga de negro estipulada e branco aveludado bendito.

    Reminiscências...Sou um cata-vento...à mercê do teu alento.

    Com um branco de jarro:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim é a flor decó por excelência. Acho-a bela. Uma flor de Inverno, sem muita rivalidade, recuperada, acho eu, a essa ordem antiga, mas mantendo toda a altivez.

      Obrigada por teres feito passar por aqui esses bons ventos. :)

      Eliminar