Atalhos de Campo


27.2.16

As falas de Teresa (3)

João:
Posso dizer dessa moça a meu lado que é a mesma Teresa
que durante todo o dia de hoje, por efeito do gás do 
sonho, senti pegada a mim?

João Cabral de Melo Neto/ Os Três Mal-Amados  

















Sei que ainda sonha comigo naquela praia onde não esteve.
Que é essa imagem passada que me devora o presente.

14 comentários:

  1. Bom, esta aqui sei. És tu Teresa, num belo instantâneo:)

    ResponderEliminar
  2. És tu Teresa com certeza, mas agora uma Teresa com uma enorme amplitude de vida e mais ainda virá, sempre e sempre:)

    Parabéns pela oportunidade da foto!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Digamos que a usei para ilustrar o texto, em vez de ir a um banco de imagens.
      Mas gosto muito mais de fotografar do que alguma vez gostei de ser fotografada.

      Um beijinho, querida Madalena.

      Eliminar
  3. Lindíssima com 21 anos, deve continuar a sê-lo ainda mais (e cada vez mais me parecem também mais belas e interessantes as pessoas com mais idade pelo que já viveram)
    um beijinho e um bom Domingo
    Gábi

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bonito comentário, Gábi. Ganha-se numas coisas e perde-se noutras, mas é como diz, aquilo que se acrescenta acaba por ser uma mais-valia tão grande que supera em muito o que se perde.
      Um beijinho e um dia feliz.

      Eliminar
  4. «quero que teresa entre-abra sua camisa, diz o texto

    teresa entre-abre

    vêem um coração a girar no firmamento?, pergunta o texto ao lápis e ao caderno

    vejo apenas um seio branco, responde o lápis

    não é um seio, diz o caderno, mas um fio de sangue que escorre entre as palavras e vai manchar»

    Maria Gabriela Llansol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Caem os sonhos um a um
      e o sangue estremece.
      Caem, e ficam no chão
      de quem os morde e os esquece.

      Farto de seiva, o dia amadurece."

      Eugénio de Andrade

      Querida flor, ofereço-lhe um !(pingo) pela beleza.

      Eliminar
  5. A impressão doutros tempos, sempre viva,
    Dá estremeções no meu passado morto,
    E inda viajo, muita vez, absorto,
    Pelas várzeas da minha retentiva.
    ...
    Aspiro um cheiro a cozedura, e a lar
    E a rama de pinheiro! Eu adivinho
    O resinoso, o tão agreste pinho
    Serrado nos pinhais da beira-mar.
    ...

    "O Livro de Cesário Verde"

    Para a Teresa com um beijinho*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maresia pura, com as vagas a rebentar ao longe; ainda ando por lá.

      Agora comia um pão inteiro!
      Beijinhos, querida Madalena.

      Eliminar
  6. Que linda, Teresa! Agora ficamos a saber que também és lindíssima por fora! :-)
    Um abraço apertado.
    Que essa tua beleza continue a inspirar e a inspirar-nos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse abraço foi directinho ao meu coração, [que ainda é o mesmo da fotografia :)].
      Foi na beleza que nos encontrámos e por dentro dela nos perdemos, e perderemos.
      Um abraço apertado, querida Susana.

      Eliminar
  7. "Só tu
    sabes sorrir
    na vertical"

    Jorge Sousa Braga

    [era mais ou menos assim que eu imaginava a minha irmã :)]

    Um beijinho, querida e linda Teresa


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas falta-me o equipamento! :)

      De facto somos (quase) irmãs, duas velhinhas, amorosas!, a empatar o trânsito na blogosfera...
      Quanto ao sorrir na vertical, ainda não tive nenhum AVC, muito obrigada (não querem lá ver!).
      Um beijinho, querida e linda velhinha... :)

      Eliminar