Atalhos de Campo


7.2.16

1974

reparo no número de comentários publicados 
e penso no 25 de Abril

16 comentários:

  1. Onde?
    ( ó diabo, mas eu sou sempre a última a saber o que por aqui se passa? )

    Teresa, de agora em diante começa a dar-me as coordenadas, pleeease. ( LOL )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. com este teu, já estamos em pleno PREC; com o meu já saímos, o tempo passa depressa... :)

      Eliminar
  2. Total de comentários publicados no teu blog, certo?

    ( nada como um café! )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um café, sim, também preciso. :)
      Foi um prazer ter-te como companhia, logo pela manhã.
      Bom dia de sol.

      Eliminar
  3. já chegaram ao melhor de todos os anos... 1978 :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. há anos assim, Conde, de boas colheitas, apesar do mau tempo :)

      Eliminar
  4. Aqui vai mais um, tal como os anos, sempre a somar :))

    ResponderEliminar
  5. Comentando em liberdade, aqui vamos nós. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Embora tenha moderação nunca "chumbei" nenhum comentário :)

      Eliminar
  6. Assim de repente, vem-me à memória o muito calor que se fazia sentir em Lisboa, naquele mês de Abril. O liceu Rainha D. Amélia à Junqueira (que muito velhinho, se afunda cada vez mais da periferia para o centro), e do teste que ia ter no dia 26 e que já não tive. A partir daí era muita RGA e muito Plenário e o Copcon à porta de lençinhos amarelos ao pescoço a fazer figura para as meninas, do liceu de meninas...

    Memórias de Abril
    com cravo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hinos, e espingardas com cravos. Moustaki a cantar Abril; o abraço dos poetas.

      Memórias de Abril
      com lenços amarelos...

      Eliminar
  7. Corrijo: Ponto era o termo que designava teste, à época.

    Sim, ideais de poeta à solta e ao rubro.

    Só muito mais tarde é que eu consegui libertar a obra do poeta compositor e músico José Afonso, de toda a tralha política que o ofuscava. Descobri o seu talento reluzente e profundo, a sua voz com grão oriunda dos confins da eternidade.

    Deixo-te com a memória da "Canção de Embalar" do eterno José
    Afonso, um lírio do campo.

    Outro lírio para ti :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. José Afonso "da eternidade" e para a eternidade, concordo contigo.

      Um lírio branco. :)

      Eliminar