Atalhos de Campo


26.1.16

refugo


O senhor J. chegou cedo, com a carrinha de caixa aberta. Os animais já estavam separados numa cerca, à espera do seu novo destino. Catorze. Ovelhas velhas, com mamites, infertilidade, defeitos vários. Entre elas a que baptizei com o nome de Magoo, por ter os olhos quase imperceptíveis, e oblíquos. A Magoo era velha, magra, gulosa, má mãe, e antipática. Não deixava mamar a única cria que pariu nestes dois anos, e que acabou por ser adoptada por uma outra ovelha que perdeu o borrego à nascença. A cria sobreviveu, e é parecida fisicamente com a mãe. Lembro-me do dia intenso de chuva em que fomos buscar um lote de ovelhas vendidas por um senhor já idoso que deixou de poder cuidar delas, e onde vinha a Magoo. Algumas das ovelhas eram já tão idosas como o senhor, mas o lote no seu conjunto era bom negócio porque havia muitas borregas recém-nascidas. Com os animais de produção é assim, o rebanho é um conjunto de números. Gostava que a Magoo morresse aqui, de velha. E agora, que ela já se foi embora, espero que tenha sorte, que vá para uma pastagem com muitas guloseimas, onde passem despercebidos os seus defeitos. Quando nomeamos algo, acrescentamos complexidade aos números.

9 comentários:

  1. até nós que somos nomeados antes de nascer, somos números...

    ResponderEliminar
  2. Quando nomeamos, estamos, de facto, a acrescentar complexidade ao conjunto, porque, na verdade, só nomeamos o que conhecemos. E o conhecimento traz complexidade.
    Foi bom voltar a respirar este ar puro e a relembrar-me do narigudo do Mr. Magoo. Sou fã!

    Um beijinho de ver ao perto :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Ora me vejo eu todos e vós uma
      ora vos vejo todas e nenhuma"

      David Mourão-Ferreira

      Que grande e boa surpresa, querida Miss Smile!
      Um beijinho; contigo vejo sempre mais longe. :)
      Um aperto de mão do Magoo (vamos a ver se ele não se engana)

      Eliminar
  3. Mais do que complexidade, até uma certa humanidade. É um efeito estranho, esse.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As relações humanas são complexas, Cuca. A Magoo devia ter algumas razões para ser como era...mas para mim era sobretudo A Magoo, das outras não sei o número de cor, e essa pode ser sempre uma injustiça, é onde quero chegar.
      Obrigada.

      Eliminar
  4. Quando se nomeia acrescenta-se complexidade. Adoro a dedução. Muito significativa e determinante. Os nomeados e os outros, os bem e os mal-amados. Os nomeados bem-amados, terão mais chances de amar e ser amados, confiam e são generosos. Não estão, nem se sentem sós. Os outros, os mal-amados, porque não foram nomeados, não conseguem amar e tendem inconscientemente a reproduzir o mesmo modelo, porque é difícil dar o que não se recebeu e ficam muito sós. Há uma lógica, uma orgânica intrínseca de causa e efeito na vida. O amor é de facto a força que dá sentido à vida, a força criadora mais poderosa, capaz de tudo transformar e salvar.

    Nomear e ser nomeado é pois, essencial

    Eu nomeio
    Madalena :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu nomeio-te :)
      Quem nomeia também sofre...às vezes não nomear é uma defesa.
      Mas é muito melhor arriscar, e nomear.
      Teresa

      Eliminar
  5. É isso, quem não nomeia, não transforma.

    Beijinhos, Teresa

    ResponderEliminar