Atalhos de Campo


11.12.15

O equilibrista

Era a caminho da madrugada. Eu estava sentada no hall, sem sono ainda. Ele apareceu em pijama, e disse-me, são cinco horas, não te vens deitar...foi outra vez o blogue? O blogue já acabou, respondi. Não é preciso que o blogue acabe, o que é preciso é equilíbrio. Ele tinha razão. Tudo o que eu fizera na vida com entusiasmo fora resultado de desequilíbrio, uma espécie de labirintite da alma... Fui-me deitar, mas não dormi, a pensar que fizera quase tudo com entusiasmo; e o resto? O resto, não fizera.


Olaia























(...)
Oh, as flores da paciência 
e da paixão
mortas sobre a mesa.
Alimentos do fogo no mover da mão
reflexos e refluxos da pobreza
de Deus
na minha vida.

Armando Silva Carvalho/Os Elementos

13 comentários:

  1. Sabes uma coisa, Teresa? Agora fizeste-me ficar contente. E a sorrir para aqui que nem dizer como.
    :-)
    Que bom!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida colher de prata
      última, desirmanada, muito antiga
      relíquia herdada, único talher:
      tão maternal tão amiga tão mulher.

      Que bom, digo eu, Susana, estava a ver que me saía outro Nietzsche...

      Eliminar
  2. creio que já estive sentada à beira desse abismo (várias vezes). fico tão feliz que tenha recuado.

    um beijo.


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida colher de aço inoxidável
      avant-garde, brilhando, destemida
      numa tarde, recuada, formidável
      eu me vi em teu espelho reflectida.

      Um beijo.

      Eliminar
  3. “No mistério do sem-fim
    Equilibra-se um planeta
    E, no jardim, um canteiro
    No canteiro, uma violeta
    E, sobre ela, o dia inteiro
    A asa de uma borboleta”

    Cecília Meireles

    Parece que a vida é um equilíbrio de ajustes diários, escolhas e consequências. Mas o que fazemos com a paixão? É esse o grande desafio do equilibrista.

    Quem bom que abriste o portão :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida colher rodopiando
      no chá das folhas do velho mundo
      para as deixar pousar, sabiamente
      na agitação transitória do fundo.

      Ainda não sei o que fazer com o Pedro Paixão...:)
      (Agora que lhe abri o portão)

      Eliminar
  4. É tudo uma questão de equilíbrio e bom senso. Peso, conta e medida.
    YEAP! :)
    Beijinho e um Xi-♥

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida colher do bom senso
      que não é sensaborão
      pequenas quantidades, leveza
      por causa da hipertensão.

      E aqui vai um Xi-Yeap, coração de atleta com tensão 11/7, valeu?

      Eliminar
  5. Melhor que bom, óptima! - é um cafezinho, duplo, diz ela. :)

    ResponderEliminar
  6. Então já posso meter a colher nesta deliciosa sobremesa!! Lembrar os beiços!!

    Beijo, Teresa, e noite feliz. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. *lamber os beiços, claro! Isto de escrever no telemóvel...

      Eliminar
    2. Querida colher da surpresa
      gaivota-mulher no amar
      contigo voa a certeza
      de que juntas céu e mar.

      Beijo, voos felizes, Maria. :)

      Eliminar