Atalhos de Campo


2.12.15

memória. curta # 12

Depois do pequeno-almoço, ao olhar para o espelho antes de lavar os dentes, reparo num bocadinho de açúcar do bolo-rei, que ficara sem eu dar conta ao canto da boca. Apresso-me a limpá-lo quando me vem à memória a frase, Agora tirava-lhe esse açúcar da boca. Tinha comido uma bola de berlim, e preparava-me para começar a dar uma consulta. Essas e outras frases que era obrigada a ouvir, ditas em surdina, faziam-me ruborizar de desconforto: uma onda de contrariedade marcava-me imediatamente o rosto, tolhia-me os gestos, emudecia-me. Mas isso era no tempo em que ainda não se falava em assédio. Sexual. Eram apenas piadas de mau gosto. Felizmente soube superá-las com brio. Profissional. 

Sem comentários:

Enviar um comentário