Atalhos de Campo


11.12.15

Dançam?

Rui Chafes (os sapatos, apenas...)


Rui Chafes, Prémio Pessoa 2015

17 comentários:

  1. Rui Chafes está de parabéns!

    Quanto à dança, não posso aceitar. Receio que, com esses sapatos, padeça do chamado pé de chumbo ou de pé de ferro (são de ferro, não são?)

    ResponderEliminar
  2. Pois está, eu sou grande admiradora. Os sapatos são de ferro, pois são, mas levitam. Os meus é que não!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. gostei tanto da exposição que esteve na Calouste Gulbenkian!

      Eliminar
  3. Danço contigo, então não? :)

    Boa noite, Teresa, e um beijo repenicado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nas festas das aldeias ainda assim é, o que sempre achei algo estranho...
      Pois fica a intenção, e que venham dois cavalheiros apartar-nos!

      Beijo repenicado, Maria Vamos ao Baile.

      Eliminar
  4. Também eu, fotografei tudo, linda, tanto nos jardins como no CAM, o pássaro é maravilhoso, as malhas suspensas, o casaco, tudo, tudo, os bancos rasgados a fugirem para o jardim, a ideia de que um museu é como um hospital para a escultura, a leveza quase "insustentável", e depois a pessoa que é, que consegue fazer poesia com ferro...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "poesia com ferro", sim! senti isso mesmo.
      (e a aranha! quis roubá-la :) linda, linda, linda.

      Eliminar
  5. A aranha também, que mania das aranhas :)...mas essa teve uma sala só para ela, era uma aranha-do-mar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. bem sei, tenho uma certa tendência a gostar do que poucos apreciam :)
      aranhas e osgas, passo bem na sua companhia. já com pessoas, sou muitissimo mais esquisita :b

      Eliminar
  6. Querida Teresa Borges do Canto,
    Descalços?
    (Eu não danço, mas isso nunca me impediu de brincar ao faz-de-conta. 1 2 3 1.)
    Boa noite,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      Demonstrou ser um homem de grande coragem, e um cavalheiro. Bem haja.
      Agora é só fazer de conta que não nos pisa os pés, que nós fazemos de conta que está a dançar.
      Boa noite, pode calçar os sapatos do Chafes, que eles dançam sozinhos.

      Eliminar
  7. Um dia falaremos de aranhas, gosto mais de fugir delas...
    Quanto a osgas, volto mais logo, para contar.
    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Osga 1 - vivia comigo no quarto, em casa da minha avó, andava eu na faculdade, qual osgalisca, nunca a denunciei porque sabia qual era o seu destino, embora me repugnasse, confesso, sobretudo porque eu achava que ela de noite poderia aproveitar para andar por cima dos lençóis, enquanto eu dormia;

      Osga 2 - um dia precisei de uma colher de pau, e deparo com uma osga-guardiã-de-colheres-de-pau, a fitar-me impávida, que é como elas encaram o semelhante :), chamei o meu filho e disse-lhe que não conseguia tirar a colher de pau porque era controlada por um ser com cara-de-pau; ele, muito solícito, respondeu que não me preocupasse. Eu não me preocupei, e quando ele disse, já está, eu perguntei-lhe, onde? Foi pela sanita, e eu que tinha salvo a minha primeira osga de violência doméstica, dei uma enorme descompostura ao meu filho, e quase chorei, portanto acho que ele hoje já sabe lidar com osgas.

      Osga 3 - a osga 3 teve mais sorte, porque eu já tivera a experiência com a osga 2; então, quando um ex-namorado me chamou, mal a apanhou, e eu lhe pedi que a soltasse no jardim que dava para as traseiras, vi que ele tinha a osga 3 entre os dentes da frente, e ela olhava par mim com ar triunfal, portanto ela estava radiante...e ele parecia muito contente com a façanha até eu lhe dizer, hoje doi-me imenso a cabeça...

      Nunca mais vi osgas, não é estranho?

      Marilyn Monroe

      Eliminar
  8. Segundo conseguimos apurar, o Instituto de Medicina Legal Animal ainda não revelou a causa de morte da osga encontrada há uma semana, no disjuntor do portão automático de Flor do Campo, mas tudo indica que terá morrido electrocutada, enquanto circulava na placa central da caixa do disjuntor, confirmando as suspeitas levantadas pelo comandante dos bombeiros no local. A esposa da osga, e mãe de cinco osgas menores, já apresentou uma queixa contra Flor do Campo, junto da Polícia de Segurança Animal, por posse de equipamento eléctrico perigoso e não vedado a animais rastejantes de pequenas dimensões. Flor do Campo, que ficou em estado de choque, após ter encontrado o corpo já sem vida da osga, «muita bonita, verde por cima, mas preta por baixo», segundo populares, não quis prestar declarações, mas sabe-se que poderá alegar em sua defesa a invasão de propriedade. Fontes próximas afirmaram que Flor do Campo se encontra ainda em estado de choque, mas agora devido ao valor da factura que o electricista lhe apresentou, num papel rasgado do bloco de notas, que trazia no bolso direito da camisa.

    Nota de redacção:
    Recorde-se que Flor do Campo, indiferente ao preconceito generalizado contra estes répteis, tem mantido uma luta diária para abolir a pena de morte cometida contra as osgas encontradas em locais habitados por humanos. Flor do Campo foi notícia há três anos, quando salvou uma família de osgas da fúria dos populares, num derrubamento de habitações ilegais. Parece que o destino lhe infligiu um rude golpe. Aguardam-se desenvolvimentos.

    Correio da Manhã

    ResponderEliminar
  9. Dezenas de autóctones continuam concentrados ao portão da quinta "Sonho do Alentejo Profundo", assinado pelo conhecido escultor Rui Chafes, prémio Pessoa 2015. A proprietária, Flor do Campo, mandou Manuel Hilário, seu capataz, servir um pequeno-almoço reforçado aos defensores dos Direitos dos Animais, secção Osgas, que estiveram em vigília, acampados do lado de fora da quinta, em volta de fogueiras para se aquecerem, cantando hinos. Esta mulher intrépida tem tido um papel fundamental na protecção a esse "bicho lindo com que a natureza nos abençoou", citamos. Nas declarações de ontem ao fim da tarde, perante centenas de populares, Flor do Campo reforçou que o Osgo que veio a encontrar a morte, se terá refugiado no disjuntor, após ter subestimado o peso específico do ferro (7800kg/metro cúbico), enganado pela arte, quando este se fechava após ter dado passagem a uma charrete."Nós temos o máximo de cuidado com o portão", afirmou à nossa redacção Flor do Campo, "supomos que o Osgo em questão, marido da ex-modelo Osgalasca, se encontrava entretido a mirar uma osganinfa que passava no momento." O Instituto de Medicina Legal Osga-Óbito para Sempre, confirmou que traumatismos profundos, que incluíam a amputação da cauda terão sido a causa principal da morte,( para além dos golpes fatais na auto-estima), e a avaria no disjuntor uma consequência. "A factura apresentada pelo sr. electricista Cabo Cortado, mais parece um lenço de papel", continuou, " e o meu advogado não lhe reconhece validade". Quanto ao destino das osguinhas órfãs, Flor do Campo assegurou que pagará um colégio para que a viúva possa trabalhar na apanha de moscas, muito abundantes nesta zona do país. Serei intransigente na averiguação de todo este penoso acontecimento, afirmou, ao despedir-se da nossa jornalista Maria Notícia Banho Diário. "Já mandei chamar a mais conceituada detective do momento, Miss Smilenka", de origem russa, ex-SVR (Serviço de Inteligência Estrangeiro russo), que tomará nas mãos o deslinde deste caso, que se teme possa vir a ter implicações mais profundas no Alentejo, já de si profundo"

    Correio de Depois de Amanhã, secção regional do Alentejo Superficial

    A aguardar seguimento,
    a direcção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. [ahahahhahahahahahahhahahahahhahahahahhhahahahhahahahahahhahahahahahhahahahahahhahahahahhahahahahahhahahahahahhahahahhahahahahhahahahahhahah!!]

      aguardando notícias da Miss Smilenka :)

      Eliminar