Atalhos de Campo


4.12.15

corín tellado














































































































Fim

13 comentários:

  1. totalmente apaixonada por esse gato :)

    «gato que brincas na rua
    Como se fosse na cama,
    Invejo a sorte que é tua
    Porque nem sorte se chama.

    Bom servo das leis fatais
    Que regem pedras e gentes,
    Tu tens instintos gerais
    E sentes só o que sentes.

    És feliz porque és assim,
    Todo o nada que és é teu.
    Eu vejo-me e estou sem mim,
    Conheço-me e não sou eu.


    Fernando Pessoa»

    um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida flor, este gato, o Girassol, é um verdadeiro galã de fotonovela, por isso não me espanta nada que tenha ficado totalmente apaixonada por ele. Ele quis mostrar que está no mercado, na última pose :) É de aproveitar agora, que ele precisa muito de ser consolado. Acho que o poema vai ajudar.[Ficou tão infeliz desde que perdeu TUDO para o pavão...(encomenda de Outro Ente)].
      Poema lindo flor, como eu gosto de Pessoa.
      Obrigada e um beijinho.

      Eliminar
    2. Isso, isso. O pavão ganhou TUDO. Boa menina Teresa. Como vê Cara Flor, buuuuu para o gato.

      Eliminar
  2. Querida Teresa Borges do Canto,
    "Fim"? Como assim? Então não é óbvio que o pavão ganhou? Fulminou o gato com um olhar "una mirada", e seguiu altivo, enquanto o gatito arrepiou caminho, desviando-se.
    Por favor, conte a estória a Flor, que se apaixonou pelo gato preterindo o fiel pavão que valorosamente defendeu a família. E, ganhou. É importante realçar na estória que escreverá a vitória do pavão.
    Aguardo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Outro Ente,
      Uma imagem não vale por mil palavras? Para quê escrever que o pobre Girassol perdeu tudo para o pavão e ficou com o seu orgulho masculino por um fio? Não se vê logo que o pavão o pôs na ordem e ele arrepiou caminho? Mas lá que o pavão foi teso, aqui para nós, a família está acima de tudo, e os quatro pontos nos iiiissss, (são quatro pavoas, não são?) são para se pôr a tempo, senão...
      Moral da estória: faz aos outros o que gostavas que te fizessem a ti. O pavão ganhou, e comemorou a vitória com a cauda em leque.

      Eliminar
  3. não nego a beleza do pavão, OE, mas aquele gato tem estilo (tem "renhau" :))

    Beijinho aos dois.

    ResponderEliminar
  4. Delicioso.
    Noite feliz a ambas.
    Beijos,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
  5. As fotos são belíssimas, como sempre!

    Já o título Faz-me viajar até uma sala de estudo cheia de adolescentes de bata branca onde algumas escondiam, por baixo do manual escolar e dos cadernos, as fotonovelas de Corin Tellado.

    Beijos, Teresa, e um excelente fim-de-semana. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Maria! O mais importante foi andar entre os animais e vê-los felizes e saudáveis.
      A vida é uma novela, mas curiosamente eu nunca li nenhuma fotonovela. Vi-a a minha prima que era cinco anos mais velha a escondê-las debaixo da almofada! Acho que têm o poder de fabricar bons sonhos...

      Já li um texto teu sobre isso que agora referiste, são reminiscências boas que caracterizam bem uma geração. Há que dizê-lo!
      Beijos Maria Paixão, e um fim-de-semana feliz. :)

      Eliminar
  6. Gostei das fotografias, o título também me fez pensar nos livros, acho que uma vez consegui ler um mas só guardei a ideia de que esperava mais.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, dona redonda, já percebi que também gosta de fotografia, por ter visto no seu blogue algumas fotos tiradas por si. Isto foi só uma brincadeira com os meus animais, sem dar muita importância à fotografia em si. Quanto aos Corín Tellado, acho que eram "devorados" por milhares de fãs, talvez tanto como hoje As Sombras de Grey; em ambos os casos não há muito a esperar...

      Um bom fim-de-semana.

      Eliminar