Atalhos de Campo


8.12.15

Atalhos de Campo



4 comentários:

  1. "Ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar, para atravessar o rio da vida – ninguém, exceto tu, só tu. Existem, por certo, atalhos sem números, e pontes, e semideuses que se oferecerão para levar-te além do rio; mas isso te custaria a tua própria pessoa; tu te hipotecarias e te perderias. Existe no mundo um único caminho por onde só tu podes passar. Onde leva? Não perguntes, segue-o!"

    Nietzsche

    Bom caminho, querida Teresa. Vou sentir muitas saudades tuas, mas isso tu já sabes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Onde me levas, rio que cantei,
      esperança destes olhos que molhei
      de pura solidão e desencanto?
      Onde me levas?, que me custa tanto.

      Não quero que conduzas ao silêncio
      de uma noite maior e mais completa,
      com anjos tristes a medir os gestos
      da hora mais contrária e mais secreta.

      Deixa-me na terra de sabor amargo
      como o coração dos frutos bravos,
      pátria minha de fundos desenganos,
      mas com sonhos, com prantos, com espasmos.

      Canção, vai para além de quanto escrevo
      e rasga esta sombra que me cerca.
      Há outra face na vida transbordante:
      que seja nessa face que me perca."

      Eugénio de Andrade/As Mãos e os Frutos/ XXX

      Querida Miss Smile,
      Com quase tudo dito, ficou quase tudo por dizer. Delineei mentalmente um fio condutor para esta caminhada. Amei tudo o que aqui fiz. Tudo ganhou um sentido: as leituras, as memórias, a música, as imagens que fui captando, e que só pela partilha fazem sentido. Mas o cão ficou despenteado, a roupa por passar, o jantar atrasou-se, o pó nem digo...enfiei-me por mim dentro, e a certa altura era mais um labirinto do que um caminho. Agora é tempo de reencontrar o caminho. Voltarei porque sinto que ainda não acabei o que comecei, e não gosto de deixar coisas pelo meio. Seria uma amputação, sobretudo da alma. Tenho, ainda por cima, um compromisso, e não gosto de faltar aos compromissos. Um destes dias abrirei o cadeado ao portão, não vale a pena contratar ninguém.:)
      Até sempre.

      Eliminar
  2. Até já, então!

    Um beijo, Teresa. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até já, Maria Bravura. Não deixes matar as gaivotas.
      Um beijo. :)

      Eliminar