Atalhos de Campo


29.12.15

atalho à chuva

De madrugada os campos estão molhados, baços ainda do orvalho, envoltos ainda na cortina de nevoeiro em que a lua adormeceu. E é com a alegria forte da manhã, com o aquecimento das pedras e dos muros, com o aparecimento luminoso dos galhos mais finos contra o céu ainda húmido, com o som das galochas a rastejar nas ervas tombadas sobre os trilhos, que o sol dá conta que desapareceu um dos jovens pavões; e que o rebanho em fuga conseguiu derrubar a porteira caída para se refugiar numa estrema da quinta; e que uma borrega ficou presa no luar abafado pela manta de fumo do aconchego do mundo, e que, por causa disso, foi atacada numa coxa pelos bichos. Mas sobreviveu.    

2 comentários:

  1. Tanta coisa que acontece na Quinta enquanto o sol dorme...
    Por onde andará o jovem pavão? Oxalá não caia num lago quando estiver a admirar o seu reflexo na água :)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assim talvez tivesse tido alguma hipótese. Pelo menos não morria de susto. :)

      Uma noite feliz, com a lua acordada.

      Eliminar