Atalhos de Campo


7.12.15

A mulher é uma colher*

A mulher é haste e taça
Entre os dedos levitação
A mulher é o corpo e é a arte
A mulher é graça e até em Marte
A mulher é uma colher.

A mulher é ergonómica astronómica gastronómica
Ponto de pérola em açúcar
é estrada em ponto no prato
Mas do ar chega atrasada
Em ponto cruz é cruzada
E mesmo quando é espada
A mulher é uma colher.

A mulher é estrela no céu e na boca
É sabor no céu divino
A mulher é sina e é destino
Se é pequena é cafeína
Aos pulos no coração
Se é grande e é de sopa 
Aquece mesmo sem roupa
A mulher é uma colher.

A mulher é da sobremesa o botão
Que desabotoa o olhar
A mulher é uma visão
Até a fruta chegar
A mulher é uma colher.

A mulher é relicário 
É líquido amniótico é cordão
Virada ao contrário é barriga
É forte que protege e abriga
Um e outro coração
A mulher é uma colher.

A mulher é lenda é toada é cantiga
É flor é pé e ponto
Bordada na curva da vida
A mulher é uma rapariga 
De fita azul no cabelo
A mulher é o Sete-Estrelo
Mesmo antes de adormecer
A mulher é uma colher.

A mulher é Vitória é Liberdade
Em proa de embarcação
É de Willendorf é de Milo é de Vénus
A mulher é um sudário 
Gravado na concha da mão
A mulher é muito antiga 
A mulher é uma colher.

A mulher é rasa de água e de sono
É o remédio o mito e a cura
A mulher enquanto dura
É rosa em qualquer estação
Só para outra rosa perdida
E mesmo quando deixou de ser
A mulher é uma colher.



*Publicado em 3/11/14, num atalho ao sol 
Dedicado a todos os homens que amam as mulheres.
  

16 comentários:

  1. A mulher colhe as palavras plurais, perfeitas
    ainda frescas, luzentes de orvalho pela alvorada
    as deita à terra, fresquíssimas, e do nítido nada
    semeando atalhos, neles germina colheitas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Aqui estão as mãos.
      São os mais belos sinais da terra.
      Os anjos nascem aqui:
      frescos, matinais, quase de orvalho,
      de coração alegre e povoado."
      (...)

      Eugénio de Andrade/ Coração Habitado

      ...com perfume a madressilva.

      Eliminar
  2. que maravilha, Teresa.
    palavras que se comem à colherada, as suas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Como se não houvera
      bosque mais secreto,

      como se as nascentes
      fossem só ardor,

      como se o teu corpo
      fora a vida toda,

      o desejo hesita
      em ser espada ou flor."

      Eugénio de Andrade/ Alba

      Sai um kg de tangerinas, para esta menina em flor!

      Eliminar
  3. Mulheres nimbou-as a natureza.
    Guardei, Teresa, guardei. .)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (...)
      "Procuro-te: fruto ou nuvem ou música.
      Chamo por ti, e o teu nome ilumina
      as coisas mais simples:
      o pão e a água,
      a cama e a mesa,
      os pequenos e dóceis animais,
      onde também quero que chegue
      o meu canto e a manhã de maio."
      (...)

      Eugénio de Andrade/ Procuro-te

      ... e tantas vezes te encontro.

      Eliminar
  4. "Se é pequena é cafeína"
    Sou uma pequena colher de café :)
    Lindo, Teresa!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Nem os olhos sabem que dizer
      a esta rosa de alegria,
      aberta nas minhas mãos
      ou nos cabelos do dia."

      Eugénio de Andrade

      Um café duplo, pediu ele. :)

      Eliminar
  5. Plantar e colher a vida...
    Uma maravilha, doce Teresa :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Talvez a ternura
      crepite no pulso,
      talvez o vento
      súbito se levante,
      talvez a palavra
      atinja o seu cume,
      talvez um segredo
      chegue ainda a tempo

      - e desperte o lume.

      Eugénio de Andrade/ Música Mirabilis

      Talvez a mulher seja ainda perfume.

      Eliminar
  6. Acho que sou uma colher de sobremesa, doce mas um pouco enjoativa. :)

    Beijos, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Uma gaivota - dizes.
      Sim, uma gaivota
      passa distante, e arde.
      O teu rosto é azul,
      e contudo está cheio
      do oiro da tarde.

      Uma gaivota.
      Alma do mar e tua,
      abandona-se à luz.
      E na boca nem eu sei
      se me nasce o coração,
      ou é a lua."

      Eugénio de Andrade/ Arima

      Maria, que venha o primeiro mar que enjoe uma gaivota!
      Beijo

      Eliminar
  7. Querida Teresa Borges do Canto,
    Bela gastronomia feminina. Obrigado.
    Um beijo,
    Outro Ente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "A lembrança do dia
      é leve de se ter:
      garganta de um jardim,
      só aroma ao descer."

      Eugénio de Andrade

      no sabor de um pêssego
      a cor da melancolia.

      Eliminar
  8. Colher de sopa, de chá, de café... E às vezes, até, de pau. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Só as tuas mãos trazem os frutos.
      Só elas despem a mágoa
      destes olhos, e dos choupos,
      carregados de sombra e rasos de água.

      Só elas são
      estrelas penduradas nos meus dedos.
      - Ó mãos da minha alma,
      flores abertas aos meus segredos."

      Eugénio de Andrade/ As Mãos e os Frutos I

      As tuas camisas passadas no ferro quente nos meus dedos,
      o teu jantar arrefecendo nos meus medos.

      Eliminar