Atalhos de Campo


25.11.15

como sobreviver ao alentejo profundo; dicas (de Lucy):

8 comentários:

  1. O que eu gostava de ver os Flintstones!!!
    "Freeeeeeed!!" "Wilmaaaaaaaaa!!!"

    Beijos, Teresa. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu Maria, nunca perdia os Flintstones!
      Talvez fossem uma premonição de sobrevivência :)

      Eliminar
  2. Sabes que sou prima afastada da Wilma Flintstone? As nossas avós eram primas e privavam com a Lucy que, na altura, já estava a escrever o seu manual de sobrevivência no Alentejo profundo. A minha avó era também muita amiga de uma antepassada tua, aquela que que domesticou o pardalinho que faz de gira-discos.

    Querida Teresa, desculpa os meus disparates! Hoje (e sempre), deu-me para isto. Obrigada por me fazeres revisitar um bocadinho da minha infância! Eu era fã dos Flintstones :)

    Um beijinho - Abadabadu!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Abadabadu!
      Somos quase família, até talvez sejamos primas! Em Bedrock profundo conheciam-se todos, havia muita consanguinidade, e já na altura os homens das cavernas faziam das suas.. nas rock beds. Por exemplo os ante(passados) do Manuel Hilário sofriam de rockbedmania; parece que qualquer Lucyfer afarensis lhes servia :)

      Um beijinho :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Quem? Refere-se ao Tiranossauro Rex, o tiranete do cretáceo? Ainda ontem vi um... :)

      Eliminar
  4. Ahahah... estou a gostar desta onda pré-histórica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdadeiramente um maremoto ciclópico, luisa...com o Fred na crista da onda a gritar pela Wilmaaaaaaaaaaa!
      Pronto já caiu :)

      Eliminar