Atalhos de Campo


17.8.15

os bois

Ao fim da tarde passavam os bois e nós corríamos para o portão para os vermos aparecer por entre os eucaliptos do outro lado, até seguirem pela estrada, mesmo em frente da nossa casa. E gritávamos os boiis, os boiis, os boiis... quando os mais atrasados corriam, fustigados pela vara do pastor, e, envoltos numa nuvem de pó, se juntavam ao resto da manada. Era mesmo antes da hora do nosso banho. Naquele dia um cão saltou o muro, que ficou tingido de sangue, e veio refugiar-se no jardim. Arfava. Era um cão amarelo, magro, com olhos também amarelos, da cor do pêlo. Atrás dele vinha um homem, que ficou do lado de fora, a ameaçá-lo. Lembro-me de correr para o cão, e de me abraçar ao seu pescoço, enquanto se apressavam a levar os meus irmãos para dentro de casa. O cão tinha um golpe profundo no tórax, por onde saíam golfadas de sangue de cada vez que respirava. Comecei a chorar e a soluçar enquanto pedia para não o darem ao homem, que dizia que ele era ladrão, que roubara comida, e por isso lhe espetara uma faca. E depois foi tudo muito rápido, eu queria tapar o ferimento com as mãos, e esperneava, dava pontapés, chorava, implorava, enquanto me agarravam à força. Quando finalmente me conseguiram levar para dentro, e me meteram na banheira, tinha a cara, o cabelo, as mãos e a roupa, com uma pasta de terra, de sangue, e de lágrimas, que saiu com a água, mas ficou uma ferida para sempre, que nunca mais cicatrizou.

6 comentários:

  1. Respostas
    1. (...)
      "A tristeza do verão é um modo de saber.
      Ou ser puro. Ou estar afastado.
      É preciso abandonar-se no meio da tarefa,
      enquanto o crime é o autor, embebido.
      Conheço crianças esgotantes pelo sono
      onde acordam.
      É preciso que Deus se liberte dos meus dons.
      Que se não perca em minha fabulosa
      ironia."
      HH

      Eliminar
  2. Afinal, a história não é de bois...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não, é essa a ironia, talvez do destino...foi por causa desse episódio que um dia fui veterinária.

      Eliminar
  3. E pela mesma razão, que eu nunca quis ser.

    ResponderEliminar