Atalhos de Campo


26.7.15

«O meu reino é meu como um vestido que me serve.»

  O grito da cigarra ergue a tarde a seu cimo e o perfume do orégão invade a felicidade.
(...)
  É esse o tempo a que regresso no perfume do orégão, no grito da cigarra, na omnipotência do sol.
(...)
  E sobre a areia sobre a cal e sobre a pedra escrevo: nesta manhã eu recomeço o mundo.

Sophia de Mello Breyner Andresen/ Ingrina  
  

2 comentários:

  1. Teresa, este é um dos meus poemas preferidos de Sophia. Adoro :)
    Penso sempre nas minhas férias grandes, passadas a sul. O grito das cigarras, a queimadura do sol na pele e o cheiro a orégãos são alguns dos símbolos que recriam o meu cenário de verão.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como é bela a Ingrina, até ao horizonte...

      "Por isso trouxe comigo o lírio da pequena praia."

      Beijinho

      Eliminar