Atalhos de Campo


29.7.15

nem preto nem branco

Nem branco nem preto - nada
no mar flutuado, nenhum lugar
que não seja aquele aonde a cor 
chegará travestida de outro vidro



ou espelho, ou espinho, onde transluz
o teu rosto de seiva verdejante,
e o meu(vejamos), este céu
de estrelas mortas que já não te iluminam.

























Nenhuma cor, nenhuma qual só esta:

























não estou cá.

Pedro Tamen/Rua de Nenhures

4 comentários:

  1. Foi com o meu avô que conheci os encantos dos gatos pretos. Tenho por eles, para além da imensa ternura, uma pontinha de nostalgia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os avós têm essa capacidade de nos deixarem heranças aveludadas, com sete vidas; os gatos de nos deixarem invariavelmente de taças vazias...
      Esta foi a minha primeira visão da manhã: um gato preto vestido de fruteira.
      Bem-vinda.

      Eliminar
  2. "O estudo da metafísica consiste em procurar, num quarto escuro, um gato preto que não está lá."
    Voltaire

    Lindo gato! É o Jang?

    Um beijinho nem preto em branco :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. " Que fazes aqui,ó gato?
      Que ambiguidade vens explorar?
      Senhor de ti, avanças, cauto,
      meio agastado e sempre a disfarçar
      o que afinal não tens e eu te empresto,
      ó gato, pesadelo lento e lesto,
      fofo no pêlo, frio no olhar!

      De que obscura força és a morada?
      Qual o crime de que foste testemunha?
      Que deus te deu a repentina unha
      que rubrica esta mão, aquela cara?
      Gato, cúmplice de um medo
      ainda sem palavras, sem enredos,
      quem somos nós, teus donos ou teus servos?"
      Alexandre O'Neill

      Este é o Gutai, Miss Smile, e deve ter passado a noite na vadiagem, a avaliar pela teia de aranha no focinho, e pelo sono de manhã...
      Um beijinho, de qualquer cor :)

      Eliminar