Atalhos de Campo


17.7.15

Mónicas



-Tantas qualidades, e um tipo neurótico, que perigo! Quando vi Para Roma com Amor, havia uma Mónica que ao longo da história foi sendo desconstruída, até que se revelou, insinuante, culta, inteligente, sensual, exemplar, inconstante, sedutora, egoísta, saltitante, ambiciosa,(im)previsível. Esta Mónica tão maltratada no filme de Woody Allen, fez-me lembrar um dos Contos Exemplares de Sophia, exactamente com esse título: Mónica.

De facto, para conquistar todo o sucesso e todos os gloriosos bens que possui, Mónica teve de renunciar a três coisas: à poesia, ao amor e à santidade. A poesia é oferecida a cada pessoa só uma vez e o efeito da negação é irreversível. O amor é oferecido raramente e aquele que o nega algumas vezes depois não o encontra mais. Mas a santidade é oferecida a cada pessoa de novo cada dia, e por isso aqueles que renunciam à santidade são obrigados a repetir a negação todos os dias. Isto obriga Mónica a observar uma disciplina severa. Como se diz no circo, «qualquer distracção pode causar a morte do artista».

Eu também já tive a minha Mónica. Agora há muito tempo que não sei dela. De um dia para o outro desapareceu, deixando atrás de si um rasto de destruição. 

Como um instrumento de precisão, ela mede o grau de utilidade de todas as situações e de todas as pessoas. E como um cavalo bem ensinado, ela salta sem tocar os obstáculos e limpa todos os percursos. Por isso tudo lhe corre bem, até os desgostos.

Fiquei mais pobre desde que conheci a minha Mónica; ela fez-me perder a confiança. Para sempre.   

6 comentários:

  1. Pode-se dizer que em cada edifício construído neste tempo houve sempre uma pedra trazida por Mónica.

    E não haverá um pouco da Mónica, alguma vez, em todas nós?


    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que há G., todas temos um pouco de Mónica; mas ser uma Mónica "inteira" é um pesadelo, pelo menos para quem a encontrar, e isto não exclui homens, como é evidente.

      Eu ainda ando a tentar livrar-me "delas", das Mónicas, incluindo as que me aterra poder vir a descobrir em mim.
      Um beijo também.

      Eliminar
  2. Como a G. diz, todas temos a nossa ou as nossas Mónicas, com todas as suas nuances. Mas do que eu gosto mesmo é das Teresas que descobrem que são mais do que Mónicas :)

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que descanso, Miss Smile, afinal também tem Mónica(s) mas a(s) sua(s) suspeito que são pequenininhas :)

      Um beijinho

      Eliminar
  3. Não se fie nisso, Teresa. As minhas Mónicas também podem ser enormes. Mas eu descobri uma forma de as amansar. Dou-lhes colinho, faço-lhes festinhas e digo-lhes que as aceito como são. Desta forma, consigo que fiquem calmas e sossegadas, sem importunar muito a Miss Smile :)

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que não lhes tenho dado muita atenção, mas se calhar é uma boa ideia, para não as perder de vista...

      Um beijinho :)

      Eliminar