Atalhos de Campo


8.7.15

libelinha


A natureza produz semelhanças. Basta pensarmos no mimetismo. É, porém, o homem que possui a mais elevada capacidade de produzir semelhanças. Este dom que o homem tem não é senão um rudimento da violenta coacção a que ele estava sujeito outrora, para ser semelhante e para assim se comportar. Talvez o homem não possua mesmo nenhuma faculdade superior que não seja condicionada pela faculdade mimética.

Walter Benjamin/Sobre Arte, Técnica, Linguagem e Política

4 comentários:

  1. Que libelinha simbiótica (e que bela foto).

    Um excelente dia, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Eu hoje fotografei um hieróglifo...
      e encontrei um dia excelente

      Bom dia também para si.

      Eliminar
  2. Eu acredito que as nossas faculdades são inteiramente condicionadas pela nossa capacidade mimética. Com ela, entendemos o mundo, logo desde crianças. Aprendemos por imitação. Ordenamos e integramos o mundo num modelo de semelhanças. E a linguagem – falada ou escrita - ajuda-nos neste processo, ao formar um conjunto de correspondências. Quando nomeamos as coisas, apropriamo-nos delas, compreendemo-las e aproximamo-nos da sua essência, ainda que por breves instantes. As semelhanças servem-nos de coordenadas, porque só conseguimos apreender o que compreendemos. E é com a representação das semelhanças que criamos o mundo, recriando-nos.

    Um beijinho, Teresa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sentei-me a olhar para a oliveira, e pensei: uma árvore muito antiga, raízes seculares, um tronco sulcado pelo tempo, um mimetismo incutido até à bifurcação, para que em todas as adolescências, se possam enfim encontrar novos e importantes mimetismos. Só talvez os últimos ramos, aqueles que se aproximam do céu, queiram finalmente imitar os pássaros, e voem sozinhos. Todo o mimetismo inicial é também ensinado. Aprendemos porque mimetizamos, e aprendemos a mimetizar para sobreviver. Os nossos pais sabem disso; os animais são basicamente miméticos. Pensando nos blogues, a maneira cuidada como respondemos, e, por exemplo, nos saudamos, tem muito a ver com mimetismo anteriormente apreendido, se te mandam um beijo, manda um beijo de volta, se te dão um abraço, retribui, se te fazem um sorriso, sorri. Primeiro precisamos de ser semelhantes, para depois podermos ser diferentes, o tal mundo de que fala, recriado, e tão nosso.

      Obrigada, Miss Smile, que bom tê-la encontrado, porque imitei o Xilre...

      Eliminar