Atalhos de Campo


2.6.15

o suicídio das rosas

li um poema da Adília em que ela confessava que tem sempre um ramo de rosas à cabeceira e as deixa ficar com bolor de propósito até ficar com um ramo de bolor de rosa e ser só de bolor e depois o bolor já não tem nada para comer e devora-se num acto narcísico (por ser um bolor feito de rosas, acho eu) e morre e afinal o bolor é a alma da rosa que cometeu suicídio à cabeceira da Adília (isto sou eu a pensar) por ela ter ficado ali a ver aquilo tudo sem fazer nada até se cansar das rosas com bolor e se despedir da rosa com um beijo na boca antes de adormecer e eu achei que a Adília é uma menina má mas não tenho a certeza

Sobre As Rosas Com Bolores de Adília Lopes


Sem comentários:

Enviar um comentário