Atalhos de Campo


25.5.15

pseudónimo

Continuo à procura de rosas. Rosas escondidas entre capas, folhas de rosto, prefácios de autor, dedicatórias, prólogos mais ou menos longos, datas, súplicas, explicações. Silenciosas acordam em dosséis de monótonas letras, e deslizando deixam pétalas perfumadas pelas páginas, primeiro seladas, tímidos botões espartilhados, de longas pernas, desejos sublimados, paixões, pelos próprios espinhos magoadas. Portas entreabertas para jardins ocultos com o céu ao fundo, são a cor que estremece em recônditos dias, na monocromia dos verdes, e morrem-me subtis por entre os dedos, sem contudo revelarem os seus segredos. 

Sem comentários:

Enviar um comentário