Atalhos de Campo


16.5.15

entre as seis e as sete

E, nesse instante, abrindo os olhos, quão frescas lhe pareciam as rosas, como linho metido em cestas de vime e acabado de chegar da lavandaria. E o vermelho-escuro dos cravos, muito ufanos, de cabeça erguida; e as ervilhas-de-cheiro, espalhadas em vasos, tingidas de roxo, de branco, pálidas- como se tudo aquilo fosse um fim de tarde e raparigas vestidas de musselina saíssem, após um soberbo dia de Verão, debaixo de um céu azul-escuro, para colher rosas e ervilhas-de-cheiro, e também delfíneos, cravos, açucenas; e fosse o momento, entre as seis e as sete, em que cada flor- rosa, cravo, íris, lilás- brilha mais intensamente; branco, vermelho, violeta, laranja carregado; esse momento em que cada flor parece arder sozinha, suave e pura nos seus canteiros de bruma;(...)

Virginia Woolf/ Mrs. Dalloway

Sem comentários:

Enviar um comentário