Atalhos de Campo


18.5.15

dos pardais, dos cucos, e das lições de Darwin

A glicínia acabara de acordar a luz lilás e espreguiçava as longas gavinhas num bocejo perfumado, disputando o melhor lugar na pérgula para assistir ao desenrolar do dia. Certifiquei-me de que os gatos ainda estavam a dormir e a recuperar da noitada. Descobri-os deitados no armazém onde escolhem um sítio diferente todas as noites. As cabeças ronronando de ócio tinham deslizado e pendiam ao abandono no conforto do colchão de feno. Sob o enorme dossel que rendilhava a penumbra tépida do celeiro, feito de fios de teias de aranha com dezenas de palhas e de insectos aprisionados, tinham entrelaçado as patas, amarelo com preto, e dos punhos desfaleciam agora dedos inofensivos e macios como luvas, embainhando unhas afiadas como punhais. Foram abrindo um olho de cada vez para que o mundo pudesse girar ao contrário, e atordoados voltaram a adormecer. Fui buscar a gaiola, mantida na clandestinidade no interior de casa, onde acordara um pardal entristecido. Começou a tentar sair, mal viu o céu encoberto de glicínia e não de telhado, e o ar cruzado por fisgas de pássaros iguais, numa algazarra sem janelas. Vi-lhe no olho um cisco de luz que me reacendeu a esperança de o salvar, a pequena cauda empinada como um leme dizia-me que se equilibraria, enquanto se mantinha preso às grades, a desafiar a liberdade. Peguei-lhe com cuidado. Queria escolher um bom sítio para o libertar, mas ele escapou-se-me dos dedos permissos, e pousou no alto da trepadeira cobiçando uma árvore em frente, precisamente a que escondia amoras vermelhas por baixo de grandes parras. O pequeno pardal sentiu que se tinha conseguido libertar de dois predadores no mesmo dia: o que mata e o que aprisiona, e fez-me lembrar que ontem ao fim da tarde ouvi um cuco. O canto é parecido com o de uma rola, mas mais longo e grave. Por cada cuco que se ouve a cantar, cantarão menos três rouxinóis no caniçal. Quando me preparava para entrar em casa vi um rolo de palhas sobre a relva. Era um ninho caído, já sem forma. Dentro dele jaziam quatro pequenos ovos pintalgados, de pardal.    


Cf. Como Darwin pode mudar a sua vida/Atalhos à sombra.19/3/2015

Sem comentários:

Enviar um comentário