Atalhos de Campo


31.5.15

conselho a uma rosa

Ontem nasceste, e morres amanhã.
Para tão breve ser, quem te deu vida?
Para viver tão pouco estás luzida
e para não ser nada estás louçã?

Se te enganou a formosura vã,
bem depressa a verás desvanecida,
porque em tal formosura está contida
a sina de morreres tão de manhã.

Há-de cortar-te uma robusta mão,
que é lei da agricultura permitida
e num sopro extinguir-se a tua sorte.

Não saias, que te assaltam de roldão.
Dilata o nascimento à tua vida
que antecipas teu ser com tua morte.

Luis de Góngora/[A uma Rosa]
Tradução de David Mourão-Ferreira
  

2 comentários:

  1. "“It seems strange that my life should end in such a terrible place, but for three years I had roses, and apologized to no one.”
    Alan Moore, V for Vendetta

    Boa noite, Teresa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Crisis is sweet and yet the Heart
      Upon the hither side
      Has Dowers of Prospective
      To Denizens denied

      Inquire of the closing Rose
      Which rapture she preferred
      And she will point you sighing -
      To her rescinded Bud.

      Emily Dickinson

      Bom dia, Maria Eu.

      Eliminar