Atalhos de Campo


24.3.15

O Poeta vivo

Recebo uma mensagem no telemóvel com a notícia da morte de Herberto Helder, um poeta que descobri tarde, e que entendi ainda mais tarde. Até que chegou o tempo certo, em que Amei devagar os seus livros que são tristes, com cinco dedos de cada lado; hoje fui buscá-los e reparei como a morte ganhou com a vida, o seu mestre.




(...)
dentre os nomes mais internos o mais intenso de todos
a que dias mortais infunde vida
que indefensável coisa lhe promete
(mas no seu corpo nada se levanta
quando estremece ao ar da revoada)
que morte e vida troca ele em tudo
e a que obscura glória se refere?

Herberto Helder/ A Morte sem Mestre 

Sem comentários:

Enviar um comentário