Atalhos de Campo


27.12.14

a espera




2 comentários:

  1. Quero ignorado, e calmo
    Por ignorado, e próprio
    Por calmo, encher meus dias
    De não querer mais deles.

    Aos que a riqueza toca
    O ouro irrita a pele.
    Aos que a fama bafeja
    Embacia-se a vida.

    Aos que a felicidade
    É sol, virá a noite.
    Mas ao que nada espera
    Tudo que vem é grato.
    Ricardo Reis

    ResponderEliminar
  2. Pequeno cão,
    Que sonha com um sonho esperando,
    E enquanto sob as árvores, vai sonhando
    Encosta ao dono, o focinho comprido.
    Se Deus pernas lhe dera,
    Alto correria
    E no Egipto acordaria,
    De um salto, o sol adormecido,
    Oferecendo a Maat, a deusa
    Da verdade, a noite sem perigo.
    Pequeno cão,
    Neto de Saluki,
    De Azawakh, um filho
    Galgando o deserto
    E na corrida,
    Das dunas eriçando,
    O dorso antigo
    Ao vento forasteiro, já vencido.
    Cão prisioneiro
    Por gratidão,
    Ao homem livre.

    ResponderEliminar