Atalhos de Campo


7.9.14

« sea-shade-dog »


Fecho o livro do desassossego, está na hora de regressar. Já passaram três dias e, lembras-te, as férias acabaram, por isso tu, a criança que trouxe comigo, pegas com a mão direita nessa ponta de mar do teu passado plano e liso, e mostras-me o teu segredo. Adormeceu um cão à porta do teu mar, um enorme guardião de sal e de areia está a dormir à sombra desse mar da tua infância, com a coleira larga de algas e de estrelas e de conchas, dono das tuas marés e do teu início. Sorris-me, estendes-me o búzio que trazes na mão esquerda, e pedes-me para o levar comigo. Atrás de ti um corpo dourado e cigano, uns olhos perdidos na lonjura de tanto azul, metálicos de tanto verde e brilho e espuma, enigmáticos de tão cinzentos, e fundos de tanta tormenta contida e escarpada. Fecho o livro, e subo a escada com os degraus de rocha e o corrimão de ferro ferrugento onde apoio a mão direita, até chegar a meio, à parte de madeira onde me volto, para de longe olhar para mim.