Atalhos de Campo


11.8.14

adeus às armas

Foste uma boa companhia, mas nessa altura, lembro-me bem, tinha que andar atenta, e armada. No outro dia viram-me de costas  e julgaram que ainda usava o antigo coldre, preso à cintura. Era definitivamente eu, que caminhava distraída. Depois viram que parei e me inclinei sobre uma roseira, o chapéu era o mesmo. Do novo coldre tirei umas luvas e uma tesoura para podar. Alheia, acabei o meu trabalho, e passei à roseira seguinte. E assim foi, o resto da vida. Dizem que já não me vejo há muito tempo, que já me conformei com a tua perda, e que agora vivo em paz, mas que às vezes ainda olho para a tua fotografia.