Atalhos de Campo


7.7.14

Monarcas em extinção

  Borboleta milenar, atravessou o tempo e os temporais, quando não está bem muda-se percorrendo milhares de quilómetros no continente americano e atravessa oceanos como os pássaros que migram; com uma memória intrigante que a leva certeira onde nunca foi, serve-se das asas fortes para chegar ao único alimento da forma larvar, as benéficas serralhas, e conta com uma corte de fãs que inclui escritores, entomólogos e presidentes.
  Apesar de tudo isto, a Monarca está em extinção. Diz José Tolentino Mendonça, na sua crónica do Expresso de 22 de Fevereiro deste ano: Por mais estranho que possa parecer à opinião pública, a realidade é esta: o desaparecimento de uma espécie deveria colocar-nos a todos em sobressalto, pois, se as borboletas estão mal, isso quer dizer simplesmente que o nosso planeta também não está bem.
  A Monarca parece ter-se assim tornado num barómetro da Terra.