Atalhos de Campo


14.7.14

Deixem-na voar

Digo rosa e digo qualquer rosa e todas as rosas do universo inteiro. Porque as palavras são a primeira manifestação do espírito, o que pertence, não ao mundo, mas sim ao que está fora do mundo para poder falar dele, dando sentido ao que por si não tem qualquer sentido, uma estonteante acumulação de factos e mais factos. As palavras têm asas, e voam, por isso mesmo que são, não isto ou aquilo, mas sim o voo entre isto e aquilo, entre tu e eu, intrépidas sobre os abismos, ligando o que está separado.

Pedro Paixão/ espécie de amor